São João del Rei Transparente

Publicações

Tipo: Artigos / Cartilhas / Livros / Teses e Monografias / Pesquisas / Personagens Urbanos / Diversos

Escopo: Local / Global

 

Conheça as cidades de Minas que perderam a chance de se tornar capital do estado

Descrição

Mais informações:
SOS Mangueiras da Colônia do Marçal
Projeto Colônia Viva Cultural
Serra do Lenheiro

Costa Sena e Colônia do Marçal, atualmente um distrito e um bairro, estavam na lista dos lugares sondados para a construção do novo centro administrativo de Minas Gerais

O futebol dos meninos no gramado da igreja matriz dá vida ao pacato distrito de Costa Sena, antiga candidata a capital Paraúnas (foto: Euler Júnior/EM/D.A Press)
O futebol dos meninos no gramado da igreja matriz dá vida ao pacato distrito de Costa Sena, antiga candidata a capital Paraúnas(foto: Euler Júnior/EM/D.A Press)


Costa Sena – Em frente à quase tricentenária Matriz de São Francisco de Assis, do século 18, crianças jogam bola no gramado que já foi cemitério. Poucos metros adiante, bezerros descansam à sombra, enquanto na lateral da igreja um cavalo pasta calmamente. As crianças encerram a brincadeira e muitos minutos se passam até que outra pessoa caminhe por uma das três ruas de Costa Sena, distrito de Conceição do Mato Dentro, na Região Central de Minas. A calmaria do lugarejo contrasta com o caos de Belo Horizonte. A comparação com a cidade que completa 115 anos quarta-feira pode soar absurda, mas quem vasculha a história descobre que Costa Sena poderia ter sido a capital mineira.

O médico e pesquisador Eugênio Marcos Andrade Goulart conta no livro O caminho dos currais do Rio das Velhas – Estrada real do sertão que Joaquim Cândido da Costa Sena (1852–1919) fez parte da comissão criada para decidir onde seria a nova capital mineira, que substituiria Ouro Preto, já saturada no fim do século 19. Por intermédio de Costa Sena, a localidade de Paraúna foi sugerida, mas nem a força do político, que nasceu em Conceição do Mato Dentro e foi presidente de Minas Gerais por sete meses, em 1902, sensibilizou a comissão.

Em 1938, o distrito, então chamado São Francisco de Assis de Paraúna, recebeu o nome de Costa Sena. O local se desenvolveu nos séculos passados com a extração de ouro e diamante, além estar localizado na estrada para o Serro. “O período de opulência na região não durou para sempre, como se acreditava a princípio. Seu apogeu ocorreu entre 1750 e 1760. Em poucas décadas, o diamante foi desaparecendo, e com ele a riqueza”, relata Goulart.
Com o fim da riqueza, veio o principal drama do lugarejo: a falta de opções de trabalho. Um contraste com a Belo Horizonte de hoje. No último levantamento do IBGE, a taxa de desemprego na capital foi de 3,9%. Uma das mais baixas do país, situação que, de acordo com a teoria econômica, pode ser considerada de pleno emprego. Enquanto isso, em Costa Sena grande parte dos moradores busca trabalho em outras localidades, como em Pompéu, na exploração de ardósia, e Conceição do Mato dentro, onde está em andamento um megaprojeto da mineradora AngloAmerican.

A mineração foi o caminho escolhido pelo filho de Catarina de Lourdes Silva. Não existe restaurante em Costa Sena e dona Catarina consegue faturar um pouco quando um viajante busca uma refeição. Não é possível a agilidade de um self-service, desses que estão espalhados por quase todas as esquinas da atual capital mineira, mas nada que uma boa conversa não resolva. Basta chegar antes, avisar que precisa almoçar e dona Catarina prepara a saborosa comida. “Estou meio desprevenida hoje, mas uma comidinha simples eu faço”, avisa antes de servir arroz, feijão, linguiça, macarrão, ovo e batata frita.

CASAMENTO DIFÍCIL Por ter poucos moradores no lugar – a população estimada é de cerca de 600 habitantes – a vida das moças que querem casar não é fácil. “Meu pai e minha mãe são primos primeiros e a minha irmã também se casou com um primo”, conta Leidilene Rosana da Silva, de 28 anos, que já engatou um namoro com parente, mas, como o romance acabou sem matrimônio, ajuda a cuidar dos sobrinhos. Leidilene sempre quis se mudar para a capital. “Tenho uma irmã que mora em BH. Já fui ao shopping e vi a Lagoa da Pampulha”, recorda. Ela não se intimidou com as duas horas que enfrentou em um engarrafamento entre a rodoviária e Ibirité, na região metropolitana. “Eu não vivi isso ainda e tenho vontade de viver.” Ela reconhece, porém, que o sossego de Costa Sena tem seu lado positivos: “Todo mundo conhece todo mundo e não tem violência”.

Já o lavrador Wilson Geraldo da Silva, de 48 anos, quer distância da capital. Na única vez que visitou BH foi por um péssimo motivo: buscar um irmão que havia falecido. “Nasci e fui criado aqui. Já acostumei com o bruto e vou levando”, explica. Os três filhos já saíram de casa e a mais nova, de 20 anos, se mudou para a capital, onde trabalha e faz faculdade de engenharia civil.

Wilson aprecia a vida no distrito. Fez um banco de tronco de árvore em uma sombra na porta da casa e quando pode descansar um pouco aproveita para fumar um cigarro de palha guardado atrás da orelha esquerda. “Sempre trabalhei em fazenda. Planto milho, feijão e o que dá”, conta. Há poucos anos ir trabalhar ficou mais simples. Trocou as longas caminhadas até as roças por uma motocicleta.

SUCESSO DE VENDA As motos, que invadiram o trânsito da capital, tomaram o lugar dos jegues e cavalos na pequena Costa Sena. Tanto que na Comercial Ianni, uma das duas mercearias da cidade, um dos produtos mais procurados são pneus de motocicleta. “Aqui tem de tudo um pouco”, informa a proprietária Diane Ottoni Malaquias enquanto vende um pacotinho de cola instantânea para um freguês. “O que tem mais saída é açúcar. Parece que o povo daqui gosta de ficar diabético”, brinca a comerciante. O mercadinho foi fundado pelo pai dela há mais de 80 anos e Diane é a única dos 10 filhos que ficou no, lugarejo. O restante se espalhou por Curvelo, Congonhas do Norte, o distrito vizinho de Capitão Felizardo e , claro, Belo Horizonte.

Memória

Bastidores da disputa

Em artigo publicado na Revista do Arquivo Público Mineiro, a historiadora e professora da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Cláudia Maria Ribeiro Viscardi revela os bastidores da disputa pela sede da capital mineira. Os anseios para tirar a capital de Ouro Preto e levar para outra localidade começaram na imprensa da Zona da Mata. “A imprensa de Juiz de Fora, em sua campanha para que a cidade fosse a capital, alegava ser a região econômica e culturalmente mais desenvolvida de Minas Gerais”, relata Cláudia Maria. O debate saiu da imprensa para o campo político. Foram indicadas Curral del Rey, Barbacena, Várzea do Marçal (hoje um bairro de São João del-Rei), Juiz de Fora e Paraúna. Curral del Rey ganhou por apenas dois votos de Várzea do Marçal. Como compensação, relata o pesquisador Eugênio Marcos Andrade Goulart, Paraúna deu nome a uma importante avenida da nova capital. Porém, a via teve o nome trocado em 1938, para homenagear o então presidente ditador Getúlio Vargas. A avenida voltou a se chamar Paraúna quando Vargas deixou o poder, mas com nova eleição do gaúcho o nome do político retornou e permanece até hoje.

Ao pé de outra serra

Leonardo Augusto
Enviado especial

São João del-Rei – Belo Horizonte poderia também ter crescido ao pé de outra serra, a de São José, e não a do Curral, e ser banhada pelo Rio das Mortes, e não pelo Ribeirão Arrudas. A região, uma das cinco sondadas pelos enviados de Aarão Reis para construção da capital de Minas Gerais, acabou contribuindo para o desenvolvimento de outra cidade, São João del-Rei, no Campo das Vertentes, e é hoje um bairro do município, a antiga Várzea do Marçal, hoje Colônia do Marçal.

O nome vem de um dos integrantes das famílias italianas que se mudaram para o vale do Rio da Morte a partir de 1881 – 177 anos depois da fundação de São João del-Rei – com a inauguração da Estrada de Ferro Oeste de Minas por dom Pedro II. O número de imigrantes do país europeu aumentou durante a Primeira Guerra Mundial (1914–1918). Seis mangueiras de 115 anos, exatamente a idade a ser completada por Belo Horizonte na quarta-feira, formam hoje uma espécie de portal na chegada à Colônia do Marçal. A garantia da idade das árvores é dada por Wilson José Vicenti, de 54 anos, neto de um dos italianos que migraram para a região, conhecida então por Várzea do Marçal.

Dono de um bar que fica embaixo das mangueiras, o comerciante exibe uma foto em que o avô aparece ao lado de colegas perfilados antes de uma partida de futebol. O campo para a prática do esporte em que o retrato foi feito deu lugar à primeira igreja católica do bairro, depois que uma briga entre atletas de dois times terminou com o espancamento de um jovem com galhos de assa-peixe. O rapaz morreu três dias depois do confronto. “O campo acabou sendo doado para os padres”, conta Wilson.

A moradora mais antiga da Colônia do Marçal, Ana Calsavara Vicentini, de 92 anos, tia de Wilson, é filha de um dos primeiros italianos a se mudarem para a região. Nas histórias contadas aos filhos, dona Ana dizia que seus pais começaram a vida na região depois de assumirem terras que, aparentemente, não tinham dono. “Com o pouco dinheiro que tinham iniciaram uma lavoura com hortaliças, mandioca e a criação de porcos”, diz uma das filhas de dona Ana, Mercês Josefina Vicentini Reis.

A Colônia do Marçal é hoje um bairro formado por casas de luxos que se misturam a residências mais simples, pousadas e bares. O vencedor, há cerca de dois anos, de um prêmio da Mega-Sena mora na região. Da época em que chegaram os primeiros italianos, resta apenas o pedaço da fachada frontal de uma pequena casa, prestes a ser demolida para dar lugar a mais uma mansão. A velha Várzea do Marçal pode não ter virado Belo Horizonte, que acabou ficando a 185 quilômetros no sentido norte, mas tampouco definhou por ter sido preterida.

Fonte: postado em 10/12/2012 00:12 / atualizado em 11/12/2012 10:41 por Daniel Camargos
Colaboração: 
Grupo Whatsapp criado por Lucília Resgala

Compartilhar Imprimir

ESSE PORTAL É UM PROJETO VOLUNTÁRIO. NÃO PERTENCE À PREFEITURA DE SÃO JOÃO DEL-REI.
Contribua ajudando-nos a atualizar dados, ações, leis, agenda cultural etc. Todos os créditos serão registrados.