Melhores Práticas - Ação

1. Cultura e Artistas de São João del-Rei e região

IV Seminário de Imigração Italiana em Minas Gerais . São João del-Rei . Ponte entre Culturas . 2008

Imagens
 
Texto

Colabore com este site compartilhando suas fotos, documentos e ação/projeto cultural.
Registraremos esta colaboração e todos os créditos.  Envie por favor para o nosso contato

A presença italiana em São João del-Rei
Museu da Imigração

COMISSÃO ORGANIZADORA


Coordenação Geral: Giusi Zamana, Gestora cultural e presidente da Associação PONTE ENTRE CULTURAS-MG, Coordenou as três primeiras edições do Seminário e outros projetos e evento culturais em diversas cidades de Minas Gerais, entre os quais o Festival Ponte entre Culturas.

Coordenação acadêmica: José Maurício de Carvalho Professor titular da Universidade Federal de São João Del Rei e membro do Instituto Brasileiro de Filosofia, do Instituto de Filosofia Luso-brasileiro e da Academia São-joanense de Letras. Possui graduação em Psicologia (1980), em Filosofia (1983) e Pedagogia (1984) pela UFSJ; mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1986) e doutorado em Filosofia pela Universidade Gama Filho (1990).

Anísio Ciscotto, Presidente em exercício da ACIBRA-MG (Associação Cultural Ítalo Brasileira), pesquisador, bacharel em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004) e pós-graduado em História e Culturas Políticas pela UFMG (2005).

Produção Local: Alzira Agostini Haddad, Coordenadora da ATITUDE CULTURAL projetos sócio-culturais, especialista em: Revitalização Urbana pela UFMG  - Universidade Federal de Minas Gerais; Conservação, Valorização e Gestão de Bens Culturais pelo IILA – Instituto Ítalo Latino Americano Desenvolvimento e Desenvolvimento Local pelo Delnet/ONU

CONFERENCISTAS CONVIDADOS

Emilio Franzina é Professor Titular de História contemporânea na Universidade de Verona (Itália) e autor de muitos livros sobre a história dos séculos XIX e XX e sobre a emigração. Colabora com diversas revistas, entre as quais “Belfagor” e “Quaderni Storici”; integra o comitê cientifico de algumas outras (Altreitalie, Studi Emigrazione, Italia Contemporanea, etc); é fundador e diretor do Arquivo Histórico da Emigração Italiana e Presidente do Instituto Veronese de História da Resistenza e de História Contemporânea.

Federico Croci é doutor em História Contemporânea pela Universidade de Gênova (2007) com a tese “A porta pelas Américas: Migrações italianas a São Paulo: cartas de chamada e reunificações familiares” e professor convidado da Universidade de São Paulo. Professor de História da Emigração na Faculdade de Letras da Universidade de Genova (2002-2203). Seu campo de estudos privilegiado é a epistolografia autobiográfica popular.

Márcio Galdino é bacharel em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais e dedica-se à pesquisa histórica com ênfase no Cinema. Tem publicado diversos trabalhos em periódicos e também ensaios como O Cinéfilo Anarquista. Carlos Drummond de Andrade e o Cinema, 1991. Já recebeu alguns prêmios nacionais, o último dos quais Prêmio Afrânio Coutinho da Academia Brasileira de Letras, 2007, com o ensaio Bastidores Revolucionários - O estado da cultura no Brasil no período de 1945 a 1965 retratado na Coleção Franklin de Oliveira.

Homenageados

Foram homenageadas pessoas representando famílias dos descendentes de imigrantes italianos em São João del-Rei, receberam um diploma e uma placa de homenagem de Giusi Zamana, presidente do Ponte entre Culturas, do Sr. Anisio Ciscotto Filho, presidente interino da ACIBRA-MG e do Sr. Bryan Bolasco, Cônsul da Itália:

  1. Antônio Agostini 
  2. Belinha Longatti Faccion
  3. Candido Giarola
  4. Francisco Albino Damaso
  5. Giácomo Taroco
  6. João Batista dos Santos
  7. José Bernardo Meneghin
  8. Lina Cupolillo Cassano
  9. Leonora Caputo Imbroisi 
  10. Leia Pastorini Haddad 
  11. Maria Ferrarezi Cristofaro 
  12. Murilo Sebastião Longatti
  13. Maria Taroco Vicentini
  14. Walter Luiz Baccarini
  15. Zulma Maria Bassi Teixeira
  16. Dauro Buzatti

O PROJETO DO SEMINÁRIO

O Brasil, tradicionalmente um país de imigrantes, deve sua unidade cultural, geopolítica e social às diversas tradições culturais que aceitaram conviver e compartilhar de valores e experiências múltiplas, constituindo assim uma sociedade multicultural.
Desse modo, a compreensão da identidade nacional contemporânea passa, necessariamente, pelo resgate dessas diversas matrizes culturais, pela valorização de suas trajetórias, de suas interações e transformações na sociedade brasileira.
No caso de Minas Gerais, o historiador britânico Kenneth Maxwell descreveu a sociedade mineira do final do século XVIII como “um complicado mosaico de grupos e raças, de novos imigrantes brancos e de segunda e terceira gerações de americanos natos, de novos escravos e de escravos nascidos em cativeiros".
O final do século XIX foi marcado por uma expressiva imigração de italianos que iniciaram a chegar ao Estado na década de 1880 e se dirigiram principalmente para Juiz de Fora e Zona da Mata, para Barbacena, São João Del Rei, região das Vertentes e para o sul de Minas.
No livro de Luiz Carlos Biasutti, Arlindo Loss e Everaldo Loss: “Roteiro dos italianos e de seus descendentes em Minas Gerais, publicado em maio de 2003, os autores reuniram 5.497 nomes de famílias italianas, só em Belo Horizonte. Este  número, acrescido aos dados de cidades do interior de Minas, ultrapassa as 23.000 famílias, o que faz crer que a atual população ítalo-descendente em todo o Estado se aproxime de 1.500.000  pessoas.
Matéria jornal A Gazeta
Seminário lembra 120 anos de imigração italiana . Influência da imigração na cultura local

Ajudar a manter vivas as histórias da imigração italiana no Campo das Vertentes, que completa 120 anos em 2008. Esse é um dos objetivos do IV Seminário de Imigração Italiana em Minas Gerais, que acontece até o próximo domingo, no campus Santo Antônio da Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ). Desde ontem, descendentes e pessoas interessadas em aprimorar seus conhecimentos sobre a história e a cultura local estão participando de debates e palestras sobre o tema.
"Já promovemos esse evento em Belo Horizonte, Barbacena e Juiz de Fora. Estamos de certa forma, mapeando as cidades e regiões que concentram maior número de ítalo-descendentes em Minas Gerais", afirmou a coordenadora geral do evento, Giusi Zamana, que também é gestora cultural e presidente da Associação Ponte entre Culturas, instituição organizadora do seminário.

Amnésia

Ainda segundo Giusi, nos últimos 130 anos, 29 milhões de italianos deixaram a Itália para viver em outras nações. A coordenadora do evento ressalta ainda que estatísticas da Fundação Cáritas de Roma mostram que existem 60 milhões de ítalo-descendentes pelo mundo. Apesar disso, o governo italiano, conforme Giusi, cria cada vez mais restrições a ida de imigrantes para a Itália, inclusive de descendentes de italianos que pretendem viver na terra de seus ancestrais. Tal situação acontece porque, na opinião da coordenadora do seminário, muito pouco da história da imigração italiana é discutida na Itália atualmente.
"É como se o país vivesse uma espécie de amnésia. Tem mais ítalos-descendentes vivendo em outros países que italianos morando na Itália. Temos então que relembrar essa história para a juventude que desconhece o passado imigratório de seus avós, de seus bisavós, para que possamos equilibrar as discussões sobre a ida de imigrantes para a Itália", observou.
O seminário, que acontece até amanhã, mobilizou pesquisadores brasileiros e italianos que irão ministrar palestras sobre a história e a cultura italiana. Serão discutidos temas que ajudarão a compreender a importância da imigração italiana para a economia, para os movimentos sociais, para a cultura e para a formação da identidade do sanjoanense.
De acordo com Giusi, as inscrições são gratuitas e poderão ser feitas pelo e-mail: seminario@ponteentreculturas.com.br ou pelo telefone:  03..., no horário de 13h as 18h. Os interesados terão mais informações no site www.ponte entreculturas.com.br.

Descendentes se reunirão em almoço na Colônia
Colônias do Giarola, Felizardo, Marçal e Bengo. As marcas deixadas pela imigração italiana estão em todo lugar em São João del Rei. Boa parte dos 300 anos da história da cidade, uma das mais antigas de Minas Gerais, foi escrita pelos imigrantes italianos que chegaram ao município em 1888, para substituir os escravos que deixaram o trabalho nas lavouras. Amanhã, descendentes desses imigrantes vão participar de um almoço na Colônia do Giarola. O evento encerra o IV Seminário de Imigração Italiana em Minas Gerais, que acontece na cidade.
"Esse é um diferencial importante que estamos tendo nesse seminário. Muitos dos ítalo-descendentes da cidade continuam trabalhando na agricultura e estão muito envolvidos na produção do seminário. Vamos aproveitar esse almoço para homenagear as matriarcas e patriarcas que continuam mantendo viva as histórias de seus antepassados", disse Giusi Zamana, coordenadora geral do evento.
Além do almoço típico, outro evento cultural será promovido simultaneamente à degustação das massas italianas. De acordo com Maura Teixeira da Silva Taroco, que faz parte da Associação de Produtores Rurais e Agricultura Familiar das Colônias (Aprafac), as famílias de ítalo-descendentes estão muito envolvidas na promoção do almoço. "Elas têm muito interesse em manter sua história viva e contar casos que só são lembrados em reuniões de família. Estão organizando painéis temáticos para que todos possam ver os diversos ângulos dessa história. Eu mesmo conheço a história dos Taroco, mas quero conhecer as histórias das demais famílias. Precisamos manter viva essa tradição", afirmou.
As inscrições para o almoço podem ser feitas durante o próprio seminário. O almoço e a exposição acontecem a partir das 12h no Grêmio da Companhia Industrial Fluminense. "Estamos cobrando R$7 como ingresso. Mas, infelizmente, estamos limitando a participação das pessoas. Quem quiser deve correr", disse Maura.
Fonte:  Jornal Gazeta de São João del-Rei 18/10/08

Italianos em festa . Acontece . Jornal Gazeta de São João del-Rei 25/10/08

O último final de semana foi de festa para as famílias dos imigrantes italianos de SJDR, com a realização do 4o Seminário sobre Imigração Italiana em Minas Gerais, lembrando os 120 anos de sua chegada à região. Com realização da Ponte entre Culturas, UFSJ, Acibra MG e produção local da Atitude Cultural, o Seminário teve a presença de grandes personalidades como o Cônsul Bryan Bolasco, Emílio Franzina, Professor Titular de História Contemporânea da Universidade de Verona (Itália) e fundador e diretor do Arquivo Histórico da Emigração Italiana; Sílvia Alciati, presidente do Comitê da Imigração Italiana de Minas Gerais, Tocantins e Goiás; Giusi Zamana, presidente da Ponte entre Culturas-MG; e Anísio Ciscotto Filho, presidente da Acibra MG.

Abertura
No anfiteatro do campus Santo Antônio da UFSJ, momentos de emoção com o jovem Hugo Cassano, neto de Lina e do saudoso Ítalo Cassano, cantando "Oh Sole Mio" na abertura, que homenageou representantes das famílias de imigrantes como Antônio Agostini, Belinha Longatti Faccion, Candido Giarola, Francisco Albino Damaso, Giácomo Taroco, João Batista dos Santos, José Bernardo Meneghin, Lina Cupolillo Cassano, Leonora Caputo Imbroisi, Leia Pastorini Haddad, Maria Ferrarezi Cristófaro, Murilo Sebastião Longatti, Maria Taroco Vicentini, Walter Luiz Baccarini, Zulma Bassi Teixeira, Sauro Buzatti, todos com mais de 80 anos.

Destaques
Entre os destaques, a mesa redonda "Imigrantes italianos nas colônias de SJDR" com a participação de Aparecida Taroco Calsavara, Eurico Taroco e Hélio Calsavara, representantes das Colônias Italianas de SJDR. A mediadora foi a profa Maria Lúcia Monteiro Guimarães, Lucinha, e a profa Betânia Guimarães também organizaram a exposição "Italianos em SJDR", com fotos antigas do projeto Cidade Memória e da Associação de Produtores Rurais e Agruicultura Familiar das Colônias (Aprafac). O grand finale foi o almoço italiano para 600 pessoas, preparado à moda antiga e nos moldes da tradição. Com a participação das Associações de Moradores e de Produtores Rurais, Amacic e Aprafac, a confraternização reuniu as famílias das Colônias Giarola, Felizardo, Recondengo, Marçal e Bengo, animação garantida pela boa música italiana. Mais informações sobre o 4o Seminário no site www.saojoaodelreitransparente. com.br/melhorespraticas.

Contribuições de participantes e descendentes de imigrantes italianos:

1. Raízes italianas em São João del-Rei . Dauro José Buzatti

2. In occasione della celebrazzione dei 120 anni di immigrazzione italiana in São João del Rei, si realizzó in questa cittá, nei giorni scorsi (17-18-19 Ottobre), il IV Seminario dell`immigrazzione italiana in Minas Gerais (Stato brasiliano).
Questo evento che si realizzó, grazie alla collaborazzione e patrocinio di diverse comunitá italo-brasiliane e di persone legate al disinvolvimento locale, come per esempio, le signore Alzira Agostini Hadad (Atitude Cultural) e Betania Maria M.Guimarães (Departam. Scienze dell`educazzione UFSJ) e tante altre.
Le conferenze,tutte eccellenti,anno avuto la partecipazzione di professori notabili ,come per esempio il Prof.Dr.Emilio Franzina titolare di Storia Contemporanea, presso l`Universitá di Verona, del Prof.Dr.Jose Mauricio de Carvalho (cordinatore accademico del Seminario) dottore in filosofia, prof.titolare dell`UFSJ e tanti altri di notevoli qualitá didattiche.
La chiusura poi, fu realizzata da Silvia Alciati (Presidente del COMITES di M.G.), Giusi Zamana (Presidente di Inter-Culturas di M.G.) e Anisio Ciscotto Filho (Presidente di ACIBRA-M.G.). Finalmente il pranzo nella colonia italiana di Giarola, con le riserve di posti esauriti (600) un giorno prima della chiusura del programma, data la popolaritá dell`evento.
Approfitto ringraziare la calorosa accoglienza da parte di tutti i cittadini 'Sãojoanenses'

Alberto O.Flangini .Veronesi nel Mondo

3. Tenho pouca informação, mas sei que o meus bisavós Francesco e Amabille foram donos de muitas terras perto de Matosinhos.Ele teve também uma fábrica de louças. Ambos vieram da Itália com suas respectivas famílias e se casaram em São João del-Rei. Francesco era da Sicília e filho de Lourenço Fazzioni e Cecília Ziviane. Amabille era de Verona e filha de Giuseppe Mantuanelli e Luigi Mantuanelli. Não sei se essas são as grafias exatas desses sobrenomes, não estão assinalados dessa forma na certidão de nascimento de minha avó, Sílvia Maria. Ela nasceu em 10 de março de 1897 e se casou com Virgílio Fraga, que era militar e músico da Sinfônica da cidade, vindo a falecer  em 8 de abril  de 1980.
Na certidão de minha mãe o Fazzione virou Fazzion e Faccion nos documentos de primos, filhos dos irmãos da minha avò.Quanto ao Mantuanelli não sei se era Mantoanelli.
Minha mãe, Esther Ana Fraga Nery, ainda tem dois irmãos vivos que moram em São João del-Rei. Um é o Antonio Fraga, que trabalhou na Rádio São João del-Rei e a tia Edithe, que mora na Colônia do Marçal.

Norma Nery

 
Vídeo
 
Histórico da entidade

Em 2005, a Associação Ponte entre Culturas desenvolveu o projeto do Seminário sobre Imigração Italiana em Minas Gerais que, com freqüência anual, objetiva estimular e divulgar pesquisas sobre o assunto, no intuito de reunir um banco de dados e de informações que permitam delinear um mapa histórico-geográfico da presença italiana no estado.

O I Seminário, do título: “Reflexos da Imigração Italiana na construção da Identidade Mineira: uma Ponte entre o Passado e o Presente ”, foi realizado em 24 de setembro de 2005 no Museu Histórico Abílio Barreto em Belo Horizonte e reuniu cerca de 220 pessoas. Entre eles pesquisadores, professores e estudantes de diferentes áreas, familiares e descendentes de imigrados italianos.

O evento foi promovido pela Associação Ponte entre Culturas - MG em parceria com o Departamento de Historia da Universidade Federal de Minas Gerais e o  Comitê da Imigração Italiana em Minas Gerais, Tocantins e Goiás, tendo o apoio do Consulado da Itália e da Prefeitura de Belo Horizonte e o patrocínio do Patronato INCA-CGIL, da Itália.

O “II Seminário sobre Imigração Italiana em Minas Gerais” aconteceu nos dias 21 e 22 de outubro de 2006 na cidade de Barbacena – MG. Foi promovido pela Associação Ponte entre Culturas-MG, em parceria com a Agência Consular Honorária de Barbacena e o Comitê da Imigração Italiana de MG, TO, GO, teve o apoio do Consulado da Itália de Belo Horizonte, da Prefeitura de Barbacena e de numerosos parceiros locais; foi realizado graças aos benefícios da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e de patrocinadores privados.

O evento obteve grande êxito e visibilidade, alcançando seus principais objetivos: descentralizar o evento, favorecendo a participação da população de outros municípios do Estado, e reunir contribuições diversas, não apenas acadêmicas e cientificas, mas, sobretudo, pesquisas e depoimentos de ítalo-descendentes sobre a própria história.

Entre os 250 inscritos, havia pessoas de todas as camadas sociais, ítalo-descendentes, italianos e brasileiros, provenientes dos municípios de Barbacena, António Carlos, Barroso, Itauna, São João Nepomuceno, Muriaé, Juiz de Fora, São João del Rei, Astolfo Dutra, Belo Horizonte, Pequeri, Itueta, Leopoldina, Ubá, Cataguazes, Poços de Caldas, Viçosa, bem como das cidades de São Paulo e de Rio de Janeiro.

A terceira edição do Seminário aconteceu em Juiz de Fora, nos dias 26, 27 e 28 de outubro de 2007, contemplando um intenso ciclo de conferências às quais participaram cerca de 200 pessoas entre pesquisadores e docentes, italianos e brasileiros, estudantes universitários, e público em geral. A cidade de Juiz de Fora foi escolhida pela participação marcante dos imigrados italianos na história da cidade e da região denominada Zona da Mata.

O Seminário teve como ponto central o papel dado pelos italianos ao desenvolvimento socioeconômico e à formação cultural de Minas e do Brasil. Organizado pela Associação Ponte entre Culturas, pela Oscip PERMEAR e pela Universidade Federal de Juiz de Fora, o evento contou com o patrocínio da FIAT , da Fapemig e do Consulado da Itália, e com o apoio da Casa d’Itália, da Agência Consular Italiana e da Fundação Municipal de Cultura de Juiz de Fora.

São João del-Rei é uma das mais antigas cidades de Minas Gerais, completou 300 anos em 2005. No final do século XIX, São João del-Rei recebeu um número significativo de imigrantes, em sua maioria italianos. Para recebê-los, o governo imperial organizou em 1888 uma hospedaria. Hoje, o casarão, tombado pelo patrimônio histórico, é sede do Centro Cultural da UFSJ - Universa. Nos antigos núcleos coloniais de São João del Rei, as Colônias Giarola, Felizardo, Recondengo, Maçal e Bengo, reside ainda hoje um grande número de descendentes italianos que se dedicam à agricultura familiar e à produção rural.
 
A imigração italiana e o projeto do seminário.
O Brasil, tradicionalmente um país de imigrantes, deve sua unidade cultural, geopolítica e social às diversas tradições culturais que aceitaram conviver e compartilhar de valores e experiências múltiplas, constituindo assim uma sociedade multicultural. Desse modo, a compreensão da identidade nacional contemporânea passa, necessariamente, pelo resgate dessas diversas matrizes culturais, pela valorização de suas trajetórias, de suas interações e transformações na sociedade brasileira.
No caso de Minas Gerais, o historiador britânico Kenneth Maxwell descreveu a sociedade mineira do final do século XVIII como “um complicado mosaico de grupos e raças, de novos imigrantes brancos e de segunda e terceira gerações de americanos natos, de novos escravos e de escravos nascidos em cativeiros". Atualmente, a maior parte da população mineira é descendente de colonos portugueses e de escravos africanos. Os povos indígenas, que antes da colonização eram constituídos por mais de cem grupos ameríndios, contribuíram de forma significativa para a formação do povo mineiro. O final do século XIX foi marcado por uma expressiva imigração de italianos que iniciaram a chegar ao Estado na década de 1880 e se dirigiram para Juiz de Fora e região de Zona da Mata, para Barbacena, São João Del Rei e a região das Vertentes e para o sul de Minas. Devido à emigração subvencionada pelo governo do Estado, em 1894 foi criada em Gênova, na Itália, a Superintendência de Emigração tendo como funções cuidar da propaganda, visar passaportes, fiscalizar os pré-requisitos para aquisição de passagem gratuita, e em seguida, organizar o transporte. Tudo isto resultou, no período de 1894 a 1901, na entrada em Minas Gerais de 52.582 imigrantes italianos. No livro de Luiz Carlos Biasutti, Arlindo Loss e Everaldo Loss: “Roteiro dos italianos e de seus descendentes em Minas Gerais”, publicado em maio de 2003, os autores reuniram 5.497 nomes de famílias italianas, só em Belo Horizonte. Este número, acrescido aos dados de cidades do interior de Minas, ultrapassa as 23.000 famílias, o que faz crer que a atual população ítalo-descendente em todo o Estado se aproxime de 1.500.000 pessoas.
Embora a presença italiana em Minas Gerais seja marcante (veja-se, por exemplo, o papel exercido pelos italianos na construção da cidade de Belo Horizonte), pouco se conhece até hoje sobre a trajetória dos imigrantes e de seus descendentes em território mineiro, assim como suas contribuições para a formação e consolidação da sociedade mineira contemporânea.
O acervo de depoimentos orais e relatos acerca da história da imigração são grandes, bem como a demanda em relação à necessidade de recuperar, preservar e revitalizar o patrimônio histórico, social, artístico e arquitetônico do Estado e, conseqüentemente, a memória de suas fontes de origem relacionadas com a imigração italiana. Para preencher esta carência, a Associação Ponte entre Culturas desenvolveu o projeto do Seminário sobre Imigração Italiana em Minas Gerais que, com freqüência anual, objetiva estimular e divulgar a pesquisa sobre o assunto no intuito de reunir um banco de dados e de informações sobre a presença italiana em Minas Gerais, delineando um mapa histórico-geográfico da presença italiana no estado.
O I Seminário, do título: “Reflexos da Imigração Italiana na construção da Identidade Mineira: uma Ponte entre o Passado e o Presente ”, foi realizado no dia 24 de setembro de 2005 no Museu Histórico Abílio Barreto em Belo Horizonte e reuniu cerca de 220 pessoas. Entre eles pesquisadores, professores e estudantes de diferentes áreas, familiares e descendentes de imigrados italianos. O objetivo deste primeiro seminário foi estimular o interesse em relação à valorização das raízes culturais e históricas da formação da identidade mineira e mostrar a necessidade de viabilizar projetos de pesquisa sobre a imigração italiana em Minas Gerais, que contemplem a participação de instituições de ensino, fundações e centros de pesquisas do Brasil e da Itália.

 
Coordenação
Giusi Zamana . autora e coordenadora geral do projeto  
Produção
Associação Ponte entre Culturas
Maiores informações no site: www.ponteentreculturas.com.br

PRODUÇÃO LOCAL
Atitude Cultural  
Patrocínio
OMR
FAPEMIG

APOIO CULTURAL
APRAFAC – Associação de Produtores Rurais e Agricultura Familiar das Colônias 

Recém formada, desde 2006, inicialmente com 11 onze membros, atualmente com cerca de 45 membros associados. Essa formação se deu com a necessidade de ajudar os produtores rurais, a Agricultura Familiar, a maioria descendentes de imigrantes italianos, os quais se viam prejudicados pelos atravessadores e órgãos governamentais.
Sua produção abrange em média 30 toneladas de produtos agropecuários de São João del Rei - hortifruti, apicultura e floricultura, abastecendo o Ceasa, mercados regionais e locais.
Trabalha-se muito, voluntariamente, em prol dos produtores rurais para os futuros projetos em parceria com órgãos governamentais e privados, com os Conselhos Municipais de São João del Rei e outras associações regionais.
Hoje a APRAFAC participa do projeto Governo Federal Compra Direta onde a produção é repassada diretamente para as entidades filantrópicas da nossa cidade de São João del Rei e cidades vizinhas gratuitamente.
Fonte: APRAFAC Associção de Produtores Rurais e Agricultura Familiar das Colônias de São João del Rei MG

AMACIG - Associação de Moradores e Amigos da Comunidade do GiarolaComité da Imigração Italiana em MG, TO, GO
Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de SJDR
Embaixada da Itália
LEI FEDERAL DE INCENTIVO Á CULTURA

APOIO COMÉRCIO

  • Restaurante Chafariz 
  • Padaria Pão Quente 
  • Cantina do Ìtalo 
  • Rodi Festas 
  • Serraria Agostini 
  • Agência de Publicidade 
  • Café Soberano 
  • Expresso Vera Cruz 
  • Posto Vianini   
  • Rob`s Pizzaria 
  • Companhia Industrial Fluminense
  • Massa Vilma
  • Gráfica HALT
 
Parceiros

UFSJ- Universidade Federal de São João del-Rei
Prefeitura Municipal de SJDR
ONG Capital Brasileira da Cultura Para Sempre

Para mais informações/imagens sobre este tema, utilize o SISTEMA DE BUSCA de nosso portal 
Colabore com este Portal compartilhando suas fotos, documentos e ação/projeto cultural.
Registraremos esta colaboração e todos os créditos.  Envie por favor para o nosso
contato

 

www.saojoaodelreitransparente.com.br . Projeto e coordenação: Alzira Agostini Haddad . Todos os direitos reservados