São João del-Rei | Tiradentes | Ouro Preto
Transparentes

ser nobre é ter identidade

Publicações

Tipo: Artigos | Cartilhas | Livros | Teses e Monografias | Pesquisas | Lideranças e Mecenas | Diversos

Escopo: Local | Global

 

Nelson Freire em São João del-Rei

Descrição

Nelson Freire
O tapete vermelho na escadaria do Teatro Municipal anunciava uma noite de gala: a noite em que o espetacular pianista Nelson Freire se apresentaria em São João del-Rei após 62 anos de seu primeiro concerto público, no palco do mesmo teatro.

Público lotou o Teatro Municipal para o concerto histórico - Foto: Élcio Paraíso (Bendita - Conteúdo & Imagem) / Divulgação

Público lotou o Teatro Municipal para o concerto histórico – Foto: Élcio Paraíso (Bendita – Conteúdo & Imagem) / Divulgação

Quem teve o privilégio de estar na plateia e assistir à apresentação no último sábado, 30 de junho, guardará na memória a emoção sonora da grande noite. Em pouco mais de uma hora de apresentação, ovacionado pelo público ao qual presenteou com dois bis, Freire exibiu a magia e  a genialidade que o levaram aos principais palcos do mundo.

Noite de música
O concerto histórico, com flash ao vivo no Jornal Nacional e matéria no Fantástico, marca os 15 anos do Projeto Música no Museu, coordenado pelo empresário e gestor cultural Sérgio Costa e Silva. O recital teve também  transmissão instantânea por telão, no Cine Glória, e transmissão ao vivo pela TV Campos de Minas. Ao término do concerto, Nelson Freire e Sérgio Costa e Silva receberam diploma de Honra ao Mérito concedido pela Câmara Municipal de São João del-Rei. No saguão do teatro, o governador Antonio Anastasia e o senador Aécio Neves descerraram placa de homenagem alusiva ao grande pianista.

Nelson Freire encanta e emociona o público - Foto: Élcio Paraíso (Bendita - Conteúdo & Imagem) / Divulgação

Nelson Freire encanta e emociona o público – Foto: Élcio Paraíso (Bendita – Conteúdo & Imagem) / Divulgação

Depoimentos
Avesso a entrevistas, Nelson Freire demonstrou sua satisfação em tocar mais uma vez na cidade:  “Pisar neste palco novamente é uma grande emoção. Estive aqui na década de 60 e rever o piano em que aprendi a tocar e pessoas que conheci naquela época me tocaram profundamente. Não tenho palavras para me expressar”.

O governador Antonio Anastasia e o senador Aécio Neves destacaram a importância do recital para a cidade. “Estamos extremamente felizes por estarmos aqui hoje e ver Nelson Freire voltando às suas origens no mesmo teatro em que, há tantos anos, ele mostrou o que seria hoje”, afirmou Aécio Neves. O governador confirmou as palavras do senador e acrescentou: “Assistir a este concerto é uma grande emoção, por estarmos na cidade dos sinos e da música. Um município especial na nossa tradição mineira e que recebe um artista tão aplaudido no mundo inteiro”, finalizou.

Governador Antonio Anastasia, Sérgio da Costa e Silva, Nelson Freire e o senador Aécio Neves no palco do Teatro Municipal - Foto: Élcio Paraíso (Bendita - Conteúdo & Imagem) / Divulgação

Governador Antonio Anastasia, Sérgio da Costa e Silva, Nelson Freire e o senador Aécio Neves no palco do Teatro Municipal – Foto: Élcio Paraíso (Bendita – Conteúdo & Imagem) / Divulgação

Para a flautista Salomé Viegas, vice-diretora do Conservatório, uma palavra define o concerto de Nelson Freire: “Perfeito. Nada a acrescentar ou retirar. Do repertório refinado a cada movimento, a excelência, a intimidade com o piano e o equilíbrio, no qual a personalidade do músico se rende à essência da peça executada. Único, convincente e natural: um presente para os ouvidos”.

O professor, pianista e compositor Abgar Campos Tirado, que assistiu ao primeiro concerto de Nelson Freire e esteve presente na apresentação do último sábado, afirmou que “há 62 anos, ainda criança, não tinha como fazer uma avaliação profissional, mas percebi, como ouvinte, que se tratava de um gênio. Vê-lo tocar aqui novamente foi muito emocionante.

Fonte: Gazeta de São João del-Rei . 07/07/2012

***

Nelson Freire realiza concerto em São João


Seis décadas depois um pianista retorna ao município, conhecido como Cidade da Música, em que fez seu primeiro concerto público, na época com seis anos de idade. Quem lê essas palavras deve imaginar que se trata de um roteiro de filme contando a história de um músico famoso.

Pianista Nelson Freire fará concerto que relembrará sua primeira apresentação, há 60 anos, em São João del-Rei - Foto: Divulgação

Pianista Nelson Freire fará concerto que relembrará sua primeira apresentação, há 60 anos, em São João del-Rei – Foto: Divulgação

O artista realmente é reconhecido nacional e internacionalmente. Mas o enredo dessa história é uma realidade que acontecerá em São João del-Rei, hoje, 30, a partir das 20h, no Teatro Municipal, quando o pianista Nelson Freire fará espetáculo que marca os 15 anos de realização do projeto Música no Museu.

Em entrevista ao jornal Gazeta de São João del-Rei, o músico falou sobre o seu repertório que irá apresentar e da emoção de retornar aos palcos são-joanenses. “Preparei um programa especial que rememora uma das peças que toquei há 60 anos. Esse concerto será uma grande emoção, porque volto a um local que marcou minha vida”, afirmou Freire.

Evento
De acordo com o diretor do Música no Museu, Sérgio da Costa e Silva, o projeto existe há uma década e meia, realiza apresentações há oito anos em Belo Horizonte e, há cinco, está nas cidades históricas de Minas Gerais.

O diretor lembra ainda que o concerto de Nelson Freire em São João del-Rei será a principal apresentação das comemorações dos 15 anos. “Em média realizamos 500 espetáculos por ano para um público de 350 mil pessoas. Nesse concerto em São João del-Rei também esperamos casa cheia, tanto que alugamos o Cine Gloria para termos mais 450 lugares e ficará com o telão em transmissão direta. A entrada será gratuita para que toda a população possa participar efetivamente do evento”, ressaltou.

O objetivo principal do Música no Museu, segundo Costa e Silva, é democratizar o acesso à cultura através da melodia. “Existe uma grande demanda por música clássica.  Basta apresentar eventos de qualidade”, disse. E completou: “Desde o principio temos plateia lotada em todas as apresentações. Começamos com shows em um museu no Rio de Janeiro e hoje realizamos eventos em 60 espaços como esse, além de igrejas e palácios em todo o Brasil de Norte a Sul”, frisou.

Novos talentos
O diretor do projeto destacou ainda que 30% das apresentações são com novos musicistas e há cinco anos eles realizam o concurso Jovens Músicos – Música no Museu cujo o ganhador recebe uma bolsa de mestrado ou doutorado na James Madison University, em Virginia, nos Estados Unidos, no valor de U$105 mil.

A iniciativa está com inscrições abertas até o dia 31 de julho. Podem se inscrever jovens de até 28 anos, gratuitamente, e o edital pode ser acessado no site www.musicanomuseu.com.br.
“Todos podem se inscrever. Tanto que não há idade mínima para participar, mas para concorrer a bolsa nos Estados Unidos o candidato precisa ter bacharelado em Música. Os vencedores recebem prêmio em dinheiro e realizam apresentações no Música no Museu, que se destaca pelo contraste, já que realizamos recitais com músicos reconhecidos internacionalmente, mas ao mesmo tempo damos espaço para os novos talentos”, finalizou Costa e Silva.

Fonte: Gazeta de São João del-Rei . 30/06/2012

***

Viagem no tempo
Nelson freire prepara concerto que comemora os 60 anos de sua estreia em São João del-Rei. Recital integra programação do projeto Música no Museu, que celebra 15 anos de existência

Por Sérgio Rodrigo Reis

O pianista Nelson Freire tem vaga lembrança do dia em que, aos 5 anos, fez a primeira apresentação pública num grande teatro. O concerto inaugural em que tocou pout-pour-ri de obras brasileiras foi há 60 anos, em São João del-Rei, no Campo das Vertentes. "A grande preocupação de meus pais era de que eu não dormisse, pois o recital era tarde, às 21h. Tentei dormir à tarde e não consegui, mas no fim deu tudo certo. Também resolveram doar todo o dinheiro para não parecer que estavam recebendo às custas de criança", conta ele, sobre a estreia. Em seguida, Nelson fez pequena turnê pelas cidades de Cambuquira, Lavras e Boa Esperança, terra natal do artista, antes de se mudar para o Rio de Janeiro, onde foi estudar piano. O aspecto saudosista e o tom comemorativo devem marcar o retomo de Nelson Freire ao mesmo teatro, em 30 de junho, dentro do projeto Música no museu.

A série em que Nelson Freire participa existe há 15 anos com o objetivo de promover concertos gratuitos em vários estados brasileiros, em temporadas anuais que coincidem com as estações do ano; e outra série realizada na época do Natal. Não é a primeira vez que o pianista, o mais requisitado do país e um dos mais festejados internacionalmente, é seduzido pelo programa que, desde o início, conta com o apoio dos Diários Associados e da Fundação Assis Chateaubriand. Há seis anos, o pianista foi a grande do projeto na Matriz de Santo Antônio, em Tiradentes. Agora promete empenho parecido em São João del-Rei, quando deverá tocar peças que têm relação com a noite, numa brincadeira com a situação que preocupou seus pais no passado. "Farei, talvez, obras como o Noturno, de Chopin e outras que remetem a esse clima, mas ainda não resolvi todo o repertório. Pensarei mais adiante", diz ele, que agora entra num processo intenso de viagens a trabalho.

Nelson Freire enfrentará nos próximos dias uma agenda intensa Acaba de voltar de Paris, onde interpretou obras como a Sonata de Iohannes Brahms (1833-1897), Cenas irifantis, de Robert Schumann (1810-1856), e algumas peças do brasileiro Heitor Villa-Lobos (1887-1959). Nos próximos dias se apresenta em São Paulo, com a Orquestra Sinfônica da Rússia, dentro das comemorações da reinauguração do Teatro Cultura Artística, que será reaberto depois de um período de reforma em razão de um incêndio. Em seguida, Nelson se apresenta no Canadá, viajando depois para os Estados Unidos e Argentina. "A vida está muito intensa", conta ele, planejando mudar no futuro. "Não tenho tempo nem para sonhar. Tem sido uma roda-viva. Penso em reduzir um pouco o tempo dedicado aos concertos e ter um pouco mais de es-
paço na agenda para meus projetos, sobretudo o estudo de . outros repertórios", adianta.

A julgar pelos compromissos acertados, pelo menos nos próximos meses o pianista mineiro não conseguirá diminuir o ritmo. Como se não bastassem tantas apresentações, em setembro Nelson Freire deverá lançar o aguardado disco com repertório exclusivo de compositores brasileiros, como Vilia-Lobos, Camargo Guarnieri, Cláudio Santoro, Barroso Neto, Alexandre Levy, Henrique Oswald. Gravado recentemente na Alemanha, o CD trará 27 peças, escolhidas pela beleza e por proporcionarem contrastes. A apresentação na série Música no museu, em São João del-Rei, poderá antecipar algumas delas. "Estou pensando ainda. Talvez toque algumas", especula ele, deixando um ar de suspense. Além desse disco, Nelson Freire só deverá voltar a gravar no ano que vem, mas o repertório ainda não foi definido. Como tem material gravado para DVDs de apresentações realizadas em Londres, onde tocou Chopin, não descarta lançamentos nesse formato.

Prodígio

Mineiro de Boa Esperança, desde Pequeno Nelson Freire demonstrou excepcional talento para a música. Depois da estreia em São João del-Rei, passa a ser acompanhado por grandes mestras, que o encaminharam na música: Nise Obino e Lúcia Branco. Aos 12 anos, interpretando o concerto Imperador, de Beethoven, foi premiado no 1º Concurso Internacional de Piano do Rio de Janeiro, de cuja comissão julgadora participavam Guiomar de Novaes, Marguerite Long e Lili Kraus. O prêmio lhe valeu bolsa de estudos do governo brasileiro para prosseguir a formação musical em Viena, sob orientação de Bruno Seidlhofer. Assim iniciou uma carreira internacional de sucesso. Hoje, é considerado um dos maiores pianistas do mundo pela crítica internacional.

A estreia na academia de Música de Viena, aos 15 anos, foi interpretando a Sonata em fá sustenido menor, de Brahms. Durante os 60 anos dedicados ao instrumento, passou pelas melhores salas de concerto internacionais, se apresentou em mais de 50 países tocando com regentes ilustres, como Colín Davís, Pierre Boulez, Riccardo Chailly, Charles Dutoit, Valery Gergiev, Eugen Iochum e David Zimano Entre as orquestras com as quais colaborou desta-
cam-se a filarmônicas de Berlim, Munique e Roterdã. Tem tocado regularmente nas mais importantes salas de música. O duo com a pianista argentina Martha Argerich também tem tido grande repercussão do meio, com apresentações no Japão, Argentina, Europa e Estados Unidos.

Quinze Anos

Nas comemorações dos 15 anos, o Música no Museu realizou votação na internet para a escolha dos 10 melhores concertos já realizados e que deveriam ser repetidos. Nelson Freire foi hors concours e aceitou se apresentar em junho, na série que foi iniciada em março e tem programação até dezembro. Vão participar nomes como Artur Moreira Lima, Yamandu Costa, Roberto de Regina, Turíbio Santos e Fábio Zanon. O encerramento será com a Orquestra Sinfônica Brasileira, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Realizado em todos os continentes, o projeto registra até hoje público de 350 mil espectadores. “A grande alegria é que conseguimos expandir nesses 15 anos. O Música no Museu representa, efetivamente, a democratização do acesso à cultura”, comemora o diretor e criador Sérgio da Costa e Silva.

Fonte: Estado de Minas . Caderno Cultura . 21 de Abril de 2012

***

Vídeos:
Jornal Nacional . Pianista Nelson Freire volta ao palco de seu primeiro concerto
Um Cacoete (Documentário sobre Nelson Freire dirigido por João Moreira Salles)
MGTV . Nelson Freire se apresenta em noite histórica em São João del-Rei
Nelson Freire em São João del-Rei . JP Notícias

Cadastre lideranças engajadas, sua ação sociocultural, seu projeto, produto, entidade, pesquisa, agenda cultural etc - contribua, complemente, ajude a atualizar, curta e compartilhe!

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Instagram Imprimir

ESSE PORTAL É UM PROJETO VOLUNTÁRIO. NÃO PERTENCE À PREFEITURA MUNICIPAL | CADASTRE GRATUITAMENTE A SUA AÇÃO SÓCIOCULTURAL