São João del Rei Transparente

Pesquisas UFSJ

A Orquestra Ribeiro Bastos de São João del-Rei/MG: Prática e aprendizagem musical em uma tradição tricentenária . Fabíola Moreira Resende

Arquivo

FabíolaMoreiraResende.pdf

Descrição


A ORQUESTRA RIBEIRO BASTOS DE SÃO JOÃO DEL-REI: PRÁTICA E APRENDIZAGEM MUSICAL EM UMA TRADIÇÃO TRICENTENÁRIA

Autora: Fabíola Moreira Resende

O objetivo desta pesquisa foi contribuir para uma melhor compreensão sobre os processos de aprendizagem musical que ocorrem no interior da Orquestra sacra setecentista Ribeiro Bastos (ORB) – composta por coralistas e instrumentistas de corda e sopro – de São João del-Rei, cidade situada no Campo das Vertentes em Minas Gerais. Para tal empreendimento, o procedimento metodológico que se mostrou mais adequado foi a abordagem conhecida como métodos mistos proposto por Creswell (2007). A coleta de dados se deu pela observação participante, aplicação de questionário semiestruturado e realização de duas entrevistas com a maestrina da Orquestra, Maria Stella Neves Valle. Os processos de aprendizagem musical que serão discutidos ao longo deste trabalho tiveram como fio condutor a teoria da aprendizagem situada de Lave e Wenger (1991); a proposta da educadora musical inglesa Lucy Green (1988, 1997, 2005, 2008), que busca compreender os significados musicais; e as ideias de Arévalo (1998, 2004, 2010) sobre os conceitos de “tradição, patrimônio e identidade”.
Quanto aos aspectos históricos e musicológicos referentes à prática musical no Campo das Vertentes, o referencial teórico foi a tese de José Maria Neves (1987): A Orquestra Ribeiro Bastos e a vida musical em São João del-Rei. O trabalho apresenta cinco partes, além de uma breve biografia de compositores citados ao longo da dissertação e um glossário referente a termos litúrgicos abordados no trabalho. No primeiro capítulo, faço um esclarecimento sobre o contexto social e histórico no qual a pesquisa foi realizada, seus objetivos, motivações, metodologia e considerações sobre o referencial teórico. No segundo capítulo, realizo uma breve história sobre a cidade de São João del-Rei e os primórdios de sua tradição musical, desenvolvendo uma reflexão sobre as possíveis origens da ORB, sua estrutura social e o perfil de seus integrantes na atualidade. O terceiro capítulo trata de uma descrição das atividades cotidianas da Orquestra, as formas de atuação de seus membros e expõe as motivações que os levam a permanecer e a se engajarem no processo de aprendizagem musical. No quarto capítulo, apresento aspectos históricos da educação musical na Europa, no Brasil e em São João del-Rei até meados do século XX. Discuto os processos formativos dos integrantes da ORB no século XXI e descrevo como o repertório musical sacro – composto nos séculos XVIII, XIX e primeira metade do século XX – propicia o desenvolvimento dos vários aspectos da aprendizagem musical de seus executantes. Para concluir, retomo, as questões básicas da pesquisa e sua pergunta geradora. Finalmente, exponho, como o repertório sacro executado pela ORB, a necessidade de se manter uma tradição musical – que em 2013 completa 300 anos – e a consciência da importância histórica e social da atuação desses músicos se mostraram os principais elementos motivadores dessa prática musical, que, consequentemente, os leva a aprender em um processo de aprendizagem situada e, assim, construírem suas identidades como músicos da ORB e cidadãos sãojoanenses.
Palavras-chave: aprendizagem musical, aprendizagem situada, significados musicais delineados e intersônicos, prática musical, Orquestra Ribeiro Bastos.

Colaboração: Fabíola Moreira Resende

Mais informações
Orquestra Ribeiro Bastos
Orquestra Ribeiro Bastos/fotos
Maria Stella Neves Valle
Telêmeco Victor Neves
Compartilhar Imprimir

ESSE PORTAL É UM PROJETO VOLUNTÁRIO. NÃO PERTENCE À PREFEITURA DE SÃO JOÃO DEL-REI.
Contribua ajudando-nos a atualizar dados, ações, leis, agenda cultural etc. Todos os créditos serão registrados.