São João del-Rei | Tiradentes | Ouro Preto
Transparentes

ser nobre é ter identidade

OGs e ONGs

Instituto Shizen Dojo . Judô Educacional

Título

Instituto Shizen Dojo . Judô Educacional

Data de início das atividades

10 de outubro de 1986

Responsável pelo órgão/cargo

: Presidente Sargento Day Sensei Carlos Alberto

Endereço

Avenida Santos Dumont, 39, atrás do Lar Solidário. Matosinhos.

Atividades/Serviços

O Shizen Dojo tem uma filosofia voltada para a formação de cidadãos, orientada pelos ensinamentos do Mestre Sato. Nos primeiros anos, havia competições, depois, o mestre considerou que era mais gratificante formar cidadãos e não atletas. Daí em diante, os alunos do Shizen Dojo pararam de competir. “Para fazer um ser humano demora, pegamos meninos e, só depois que ele atinge a maioridade e encontra um rumo para a vida, que temos nosso troféu, quando o jovem se revela um adulto e segue seu caminho como um cidadão responsável e cumpridor dos seus deveres com a sociedade”, disse mestre Luthero. Trabalha-se com cerca de 50 alunos, mas as atividades encontram-se paradas até que a construção da nova sede termine. A intenção é de ampliar e diversificar, instituindo aulas de informática, música, entre outras.

Público alvo para comunicação de atividades da entidade

jovens interessados em aprender a filosofia do judô.

Passo a passo para o cidadão ter acesso às atividades ou serviços

Entrar em contato com Leonídio Cândido de Oliveira, professor de artes marciais. Número 8813-7120.

Perfil dos membros

Presidente Sargento Day Sensei Carlos Alberto. Presidente de Honra: Mestre Luthero Castorino da Silva. Fundador: Mestre Dr. Roberto Hideaki Sato.

Histórico

A história da associação começou quando o Mestre Dr. Roberto Hideaki Sato veio para São João del-Rei para descansar. Ele foi médico residente no Japão e praticou judô nas melhores escolas daquele país. Em São João, logo começaram os pedidos para que o Mestre ensinasse o esporte e a filosofia. Ele ministrou aulas na grama e ao ar livre, no campo do Juventus. Em seguida, passa a treinar no América, em uma sede emprestada, com tudo improvisado. Com a ajuda de artistas da terra, um deles o Sebastião de Carvalho, conhecido como Tião do Fóle, foram feitos alguns eventos para comprar o primeiro tatame. O judô desenvolvia uma campanha de criança para criança, ou seja, os alunos juntavam alimentos e iam de caravana doar para crianças carentes. Com a mudança na diretoria do América, começaram a cobrar o aluguel. Resolveu-se procurar, então, outras alternativas e divulgar mais o esporte na cidade. “Já que era para pagar aluguel, eu fui um dos incentivadores da saída do América, procurar outra sede, até para que torcedores de outros times pudessem praticar o judô”, lembrou o mestre Luthero Castorino.
Assim, os mestres foram mudando-se. A escola de judô educacional passou por diversos lugares na Vila Nossa Senhora de Fátima. O, então prefeito de São João, Sidney Antônio de Sousa, doou um terreno na Avenida Santos Dumont para que pudesse ser construída a sede definitiva do Shizen Dojo. Os vereadores aprovaram o Projeto de Lei e, hoje, o galpão está em fase de construção. O prédio está sendo erguido com muitas dificuldades pelos mestres, fazendo mutirão e usando materiais doados pelos moradores. As atividades estão paradas por falta de verba. O comércio e pais de alunos, aqueles que podem, contribuem.

Principais problemas/dificuldades da área atuante

Perguntado acerca da maior dificuldade encontrada para manter os serviços da instituição, mestre Luthero afirma, de forma categórica, que o problema é financeiro. Após receber o terreno da Prefeitura, pouco foi feito para ajudar. “A exceção do terreno que ganhamos da administração passada, o judô conta com ajuda zero. A sociedade que vem nos apoiando doando materiais.”

Propostas e sugestões para o desenvolvimento turístico da cidade

Maior investimento nas associações sócio-culturais de São João e participação da sociedade nos movimentos sociais. Falta, segundo Luthero, maior cobertura da mídia sobre temas como Congado e Folia de Reis.

Info

Tipo de sustentabilidade econômica:
doações de pais de alunos, comerciantes e mestres. A filosofia do Instituto prega que, se o aluno chegar a se formar um mestre de graça, deve passar seu conhecimento sem cobrar por isso. Os professores não recebem nenhuma compensação em dinheiro. O judô não é remunerado financeiramente.

***
Os jovens são avaliados, no Instituto Shizen Dojo, por quatro critérios: escola, lar conduta e prática esportiva. Primeiro, os pais dão notas aos filhos, o aluno tem que levar o boletim escolar e ter uma conduta exemplar na rua, no modo de andar, vestir e falar, não pode ficar se drogando ou bebendo. Por último, vale a nota no judô. “Às vezes, passamos alunos de faixa não tanto por seu conhecimento no esporte, mas, sim, por ser bom filho, respeitador da ordem e dos seus mestres”, enfatizou o mestre Luthero. Esses são os preceitos da Filosofia Sato: formar um cidadão consciente, por meio de conversas, palestras, normas internas, compromissos, disciplinadores. Há poucos casos de alunos que saíram do Instituto. Luthero se lembra de apenas dois, considerados casos isolados. “nunca tivemos que expulsar um aluno por má conduta. Estou lá há 14,15 anos e me lembro apenas de um ou dois que saíram, porque os pais não compreendiam, tinham dificuldades e envolvimentos com álcool”, contou.

Data da coleta dos dados

06 de novembro de 2010

Responsável pelas informações

Mestre Luthero Castorino da Silva

Galerias

Cadastre lideranças engajadas, sua ação sociocultural, seu projeto, produto, entidade, pesquisa, agenda cultural etc - contribua, complemente, atualize, curta e compartilhe!

Compartilhar no Facebook Compartilhar no Instagram Compartilhar no Whatsapp Imprimir

ESSE PORTAL É UM PROJETO VOLUNTÁRIO. NÃO PERTENCE À PREFEITURA MUNICIPAL | CADASTRE GRATUITAMENTE A SUA AÇÃO SÓCIOCULTURAL