Ouvidoria

Cultura e Patrimônio / Violência Doméstica / Educação / Meio Ambiente / Saúde / Responsabilidade Sócio Cultural / Turismo / Campanhas / Diversos /

São-joanenses reclamam de transtornos causados por cães

Muita sujeira, barulho e doenças. Segundo os moradores do Bairro Bela Vista, em São João del-Rei, esses são os transtornos causados pela grande quantidade de cachorros que vagueiam diariamente pelas ruas. Para Lúcia Lara, o poder público precisa tomar alguma providência. “É necessário que tenha uma carrocinha para recolher esses animais e um canil na cidade, para que eles não fiquem abandonados e sofrendo maus tratos”, apontou.
Noemia de Oliveira Silva, moradora do bairro a mais de 50 anos, faz coro ao pedido. “A gente é incomodado durante todo o dia e à noite também, com o barulho que os cães fazem, sem falar na sujeira que fica na porta da nossa casa”, acrescentou.
Lúcia Lara relatou que é possível contar mais de 10 cachorros vagando pelas vias. “Nós é que temos que fazer a limpeza, porque não vem ninguém da Prefeitura varrer as ruas”, declarou. “Se a gente paga imposto deveria haver uma contrapartida da administração municipal para a manutenção da limpeza urbana”, completou a moradora Margarida Maria de Oliveira.

Providências
No entanto, parece que a perturbação não deve ter solução imediata. O coordenador de pragas urbanas do município, Valdisnei Lopes da Silva, explicou que o trabalho de recolhimento de cães, atualmente, é feito apenas com animais que representam algum tipo de ameaça à população. “Os cachorros mais bravos são levados para canis particulares”, afirmou.
O coordenador concorda com a reclamação dos moradores da Bela Vista. “A cidade parece que tem mais cão do que gente”, constatou. Apesar disso, pouco ou nada pode ser feito com relação aos cães de rua, pois a Prefeitura não possui um canil municipal e sua instalação ainda “está sendo estudada pelo prefeito”, informou.
Todavia, um Projeto de Lei que está sendo analisado pela administração municipal prevê uma série de regulamentações que visam amenizar a situação tanto das pessoas quanto dos animais. De acordo com o coordenador de pragas urbanas, Valdisnei Lopes da Silva, a proposta, elaborada pelo setor, sugere que seja feita a castração dos cachorros errantes, para se diminuir a quantidade e deverá ser realizado um cadastramento com a finalidade de controle e identificação. “O cão teria que usar uma coleira com um número de registro, nome e telefone”, detalhou. O Projeto ainda não tem data para ser colocado em votação na Câmara de Vereadores.

Donos de cães
Além disso, Valdisnei da Silva lembrou que os donos de animais domésticos também precisam ser conscientizados. “Muitos donos maltratam os animais, expõe outras pessoas a situação de risco quando levam o cachorro para passear sem coleira e contribuem para a sujeira das ruas, deixando o animal fazer as necessidades onde quiser”, ressaltou.
O projeto em análise dispõe sobre a obrigatoriedade do dono do cachorro levá-lo para passear sempre usando uma enforcadeira e a fucinheira. Quem sair com um animal também deverá levar um saco plástico para recolher as fezes, sob pena de ser multado. “E será estabelecido, ainda, um limite máximo de cães que cada pessoa poderá ter, de acordo com as condições mínimas de manutenção que ela oferecer”, destacou.

Fonte: Folha das Vertentes . maio 2009


www.saojoaodelreitransparente.com.br . Projeto e coordenação: Alzira Agostini Haddad . Todos os direitos reservados