Ouvidoria

Cultura e Patrimônio / Violência Doméstica / Educação / Meio Ambiente / Saúde / Responsabilidade Sócio Cultural / Turismo / Campanhas / Diversos /

Campanha: Cuidado com as chuvas no Patrimônio Histórico e Ambiental! . Luiz Cruz

Faça o download do documento:
Folder_Chuvas-1.pdf

O Corpo de Bombeiros Voluntários de Tiradentes com o apoio da Fundação Rodrigo Mello Franco de Andrade/UFMG lança a campanha: cuidado com as chuvas no patrimônio histórico e ambiental. Durante o período chuvoso, é necessário ficar atento a alguns aspectos e tomar certas providências que podem evitar uma série de problemas com as águas pluviais.
Os bombeiros voluntários de Tiradentes prepararam impressos que serão distribuídos na região, objetivando um alerta para este período. A proposta é levar as informações a diversas escolas e os próprios alunos serem os multiplicadores das orientações.
As chuvas trazem diversos problemas, mas muitos podem ser evitados se a população participar e tomar algumas providências, especialmente evitar jogar lixo ou entulho nos bueiros (bocas de lobo). Temos assistido, já nas primeiras chuvas, que as ruas têm ficado alagadas porque os bueiros estão entupidos por lixo. Mantenha a frente da casa e o quintal limpos, ponha o lixo em sacos plásticos fechados. As águas de chuvas são perigosas, não se deve deixar as crianças brincarem em áreas inundadas ou lama, porque podem ser contaminadas por leptospirose ou hepatite. Áreas alagadas encobrem buracos, que geralmente causam acidentes. Torna-se mais seguro caminhar apenas por lugares conhecidos.
As pessoas que moram em áreas próximas aos córregos e rios devem ficar atentas e caso as águas pluviais comecem a subir, prepararem-se para evitar os prejuízos com as inundações. A vigilância deve ser constante, inclusive à noite.
Na área do patrimônio histórico se faz necessário uma revisão do telhado. Uma peça do telhado comprometida pode causar acidente, levando ao desabamento. As telhas precisam estar justas e as quebradas devem ser substituídas, pois podem causar transtornos com as goteiras. Nas igrejas ou lugares que existem pinturas nos forros, uma goteira pode causar expressivos prejuízos às obras de arte. Também em lugares onde se guardam documentos e livros, os danos podem ser irreparáveis. As calhas devem sem desobstruídas, especialmente para evitar o retorno de águas pluviais. É necessário atenção a qualquer rachadura, tanto nas paredes quanto pisos e alicerces.
Em caso de qualquer acidente com o patrimônio histórico tombado, deve ser comunicado imediatamente ao IPHAN.
No patrimônio ambiental, evite subir a Serra de São José sozinho. Leve o celular para comunicar em caso de qualquer acidente. Inclua em seu material uma capa de chuva. O campo rupestre é área de grande incidência de raios, por isso evite se proteger embaixo de árvores. Neste ecossistema, devido à altitude, os ventos são muito fortes, proteja-se entre os grandes blocos de pedra.
Os turistas devem subir a Serra de São José acompanhados por guias especializados, pois eles saberão agir em situações atípicas. Antes de subir a serra, os turistas devem informar às recepções das pousadas e hotéis os pontos que pretendem visitar, isto pode ajudar muito a localizar mais rápido, em caso de acidente.
Estas e outras dicas estão nos impressos que serão distribuídos em Tiradentes, Prados, Coronel Xavier Chaves, São João del Rei e Santa Cruz de Minas. Siga as orientações, cada um pode fazer sua parte e ajudar na prevenção de acidentes com as chuvas. Todos devem lembrar que em qualquer situação adversa, a dica fundamental é: procure manter a calma!

Luiz Cruz é professor e Bombeiro Voluntário


www.saojoaodelreitransparente.com.br . Projeto e coordenação: Alzira Agostini Haddad . Todos os direitos reservados