Agenda Cultural - Evento

Mostra Tiradentes em Cena . Programação completa de 18 a 21 de novembro . Ao vivo pelo You Tube . 2020

Data
21 Nov 2020  
Cidade
Tiradentes  
Mais informações
 

Mostra de Artes Cênicas Tiradentes em Cena acontece de 18 a 21 de novembro
Ao vivo pelo You Tube www.youtube.com/channel/UC-w53Hfq3zB0P_ZvwG28wEg

Programação completa

DIA 18 (QUARTA-FEIRA)
 
10h Abertura oficial
11h Bate papo com Teuda Bara
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Local: YouTube.com/TiradentesEmCena / exibição ao vivo.Bate-papo atriz Teuda Bara com o escritor e jornalista João Santos sobre o livro "Comunista demais para ser Chacrete" O livro é, na verdade, um perfil biográfico da mitológica atriz mineira, consagrada por sua trajetória junto ao Grupo Galpão e por sua incomparável gargalhada. Resultado de uma convivência íntima entre o autor, João Santos, e a atriz, já aos seus 79 anos de idade, o livro narra episódios desde a infância de Teuda, seu ingresso no teatro, até suas mais recentes aventuras, da resistência à ditadura militar a sua passagem pelo renomado Cirque du Soleil, em Las Vegas
Local: YouTube.com/TiradentesEmCena
Publicação:Editora Javali. Autoria: João Santos. Projeto visual: Estúdio Lampejo
 
Exibição Espetáculo
Local: YouTube.com/TiradentesEmCena
(Belo Horizonte)
14h
Luta
Como se constrói um mito? Luta é um espetáculo criado para e com Teuda Bara.
Visitando suas memórias, a atriz, em cena, ficcionaliza sua trajetória, cria imagens,
conta casos e elege a Luta como alegoria para o teatro e a própria vida.
Dramaturgia: Cléo Magalhães, João Santos e Marina Viana. Diretores: Cléo Magalhães, João Santos e Marina Viana Elenco: Teuda Bara. Trilha sonora original: Barulhista. Cenógrafo: Taísa Campos. Figurinista: Cléo Magalhães. Iluminador: Marina Arthuzzi e Rodrigo Marçal. Produção executiva: Beatriz Radicchi. Duração: 30 min. Classificação: 12 anos
 
Espetáculo ‘‘Poesia neles’’
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena
(Rio de Janeiro e Tiradentes)
18h
"E agora, o que faremos? Poesia! Eles detestam poesia.". O que seria deste mundo pandêmico se não fosse a arte? Partindo desta premissa, o "Poesia neles" permeado por música e dança proporciona respiros em meio ao caos através dos poemas de Elisa Lucinda, Solano Trindade, Jonathan Silva, Mário Quintana, Adélia Prado, Tatiana Nascimento e muito mais! Concepção: Luiza Cassano. Direção: Geovana Pires. Elenco: Geovana Pires, Jô Assumpção, Luiza Cassano e Rozan. Participação: MC Frog. Duração: 30 min. Classificação: Livre
Local: Adro Museu de Sant'Ana. Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena. (após exibição roda de conversa ao vivo)
 
 Solano, forte vento africano
19h
(Rio de Janeiro)
Elisa Lucinda e Geovana Pires, que também assina a direção, em sua dramaturgia colocam uma luz não só sob a obra mas na importância do homem Solano Trindade para o mundo. É o nosso Gandhi da literatura popular brasileira. E justamente por falar de forma muito sincera das dores do mundo é profundamente atual mais de quarenta anos após a sua morte. O mundo necessita da voz pacificadora de Solano. De maneira cadenciada e auxiliado pela pluralidade musical brasileira, a peça é permeada por música, canto, dança e sapateado, conduzindo o espectador de forma lúdica à trajetória de Solano. Inicialmente composto para sete atores, vale ressaltar que devido à pandemia o espetáculo foi reformulado para dois atores: Val Perré, que foi indicado ao premio Shell e o ator, músico e dançarino, Rozan. Solano, Vento Forte Africano. Elenco: Val Perré e Rozan. Participação especial: Mestre Prego e Congado. Nossa Sra do Rosário e Escrava Anastácia. Dramaturgia: Elisa Lucinda e Geovana Pires. Direção: Geovana Pires. Duração: 60 min. Classificação: Livre
 
 
DIA 19 (QUINTA-FEIRA)
 
Intervenção Corpo-estandarte
Local: Ruas de Tiradentes
(Tiradentes)
10h
Uma intervenção artística utilizando mensagens de conscientização do uso da máscara e união humanitária nesse momento de quarentena através de uma instalação humana itinerante. Inspirado na obra Parangolé de Hélio Oiticica. O Parangolé é uma espécie de capa que se veste, com textos, fotos, cores e que serve como uma Obra-ação-multisensorial. Elenco: Roberta Mesquita e Lana Borges. Produção: Alevante Cia. Duração: 40 minutos. Classificação: Livre
 
O teatro nos tempos
da cólera com Pedro Paulo Cava
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena (ao vivo)
(Belo Horizonte)
10h
Duração: 40 min
Classificação: Livre
Desde que foi criado há alguns milênios, o teatro tem sido alvo da intolerância política, religiosa, intelectual.Perseguido, maltratado, proibido, degredado, assassinado,calado à força, o ator resiste ao longo do tempo a todo tipo de autoritarismo e cerceamento de sua condição primordial: retratar o mundo que vê pela perspectiva do seu olhar aguçado. E ao teatro cabe resistir a estas pandemias cíclicas com sua inteira capacidade de indignação e resistência a qualquer tipo de censura à liberdade de criar e se expressar. O teatro precisará se reinventar em forma e conteúdo se quiser sobreviver. E cabe a nós conversar sobre todas as formas de enfrentamento aos desafios que estão ai. Esta é a minha proposta aos participantes do Tiradentes em Cena. Vamos juntos?
 
 
Narrativas:
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena
(ao vivo)
11h
Uma conversa sobre editais, Lei Aldir Blanc,gestão, compartilhando de experiências e formas de gestão dos grupos e da carreira artística. Convidados: Juliano Felisatti Pereira/Teatro da Pedra; Leticia Napole/ Via
Napole Comunicação, Juninho Severo/Cia Fofocas e Priscila Natany (Cia Mineira). Duração: 40 min. Classificação: Livre teatro de grupo,teatro de elenco e sustentabilidade das ações.
 
 
Um canto torto feito faca
Local: Ruas da cidade
(São João del-Rei)
13h
O Teatro da Pedra, de maneira segura, ocupa as ruas de Tiradentes para trazer uma mensagem de amor e superação nesses tempos pandêmicos. Os atores do grupo, acompanhados de um músico convidado, percorrerão as ruas da cidade histórica com músicas e poesias. Direção: Juliano Felisatti Pereira. Produção: Teatro da Pedra. Duração: 40 min. Classificação: Livre
 
 
Performance 999
Local: SesiMinas Tiradentes Yves Alves
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena
(a partir do dia 20 de novembro)
18h
Uma casa, o silêncio e um habitante que conta os dias sem saber quantos são. Não há distância, ele está aqui, você pode sentir? O que vivemos agora? O senhor vê? Sobre o Teatro dos Sentidos: cada viajante ou público, é convertido em imaginante, é ele quem cria, forma e deforma suas próprias imagens. A escuridão descodifica o corpo: mãos podem ver, o nariz evoca, os ouvidos podem sentir o silêncio. O público retorna para suas origens e cheira, toca e sente como se fosse a primeira vez. A busca de uma linguagem sensorial responde a necessidade de recobrar o corpo como fonte de conhecimento. Solo: Carolina Correa. Duração: 30 min. Classificação: Livre
 
O Prazer é Todo Nosso – leitura
(Belo Horizonte)
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena (ao vivo)
(Rio de Janeiro)
20h
Não é uma peça sobre amor, sobre romance, nem sobre relacionamentos. É uma peça sobre sexo. Onde o olhar é o da mulher. São várias histórias peculiares, espirituosas e engraçadas sobre sexo. É confessional sem ser biográfico. Uma mulher dona da própria vontade, do próprio sexo e capaz de escolher o que fazer cada dia. Sem culpa. Mãe, filha e profissional, depois de casada por 17 anos descobre um sexo antes desconhecido. Um sexo livre, ativo, presente e libidinoso. Igual sempre foi permitido aos homens. Uma mulher, sozinha em cena, falando de sexo, vontades e desejos. Uma comédia recheada de fatos reais, um pouco ficcional, narrada com ironia e sinceridade. É confessional sem ser biográfico.
Argumento e idealização: Juliana Martins. Texto: Beto Brown. Direção: Bel Kutner. Elenco: Juliana Martins. Duração: 50 min Classificação: 16 anos
 
 
Pandas ou uma conversa em Frankfurt
Local: Zoom e YouTube.com/TiradentesEmCena
21h
Um casal de desconhecidos acorda na mesma casa. Trazem apenas fragmentos da da noite anterior. Eles precisam um do outro para montar esse grande quebra
cabeça de sentimentos e memórias. Esta experiência foi concebida durante a quarentena da Covid-19, com os artistas envolvidos, isolados em suas casas. Adaptação do texto teatral, "A História dos ursos pandas (contada por um saxofonista que tem uma namorada em Frankfurt)", do dramaturgo romeno, Matei Visniec. (São Paulo) era uma vez em Frankfurt
Texto: Matéi Visniec. Direção e dramaturgismo: Bruno Kott. Elenco: Mauro Schames e
Nicole Cordery. Duração: 40 min. Classificação: Livre
 
 
DIA 20 (SEXTA-FEIRA)
 
Roda de Conversa sobre a Lei nº 10.639/03
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena (ao vivo)
10h
Com Coletivo Iabas
Bate papo com as professoras sobre a Lei n° 10.639/03, que tornou obrigatório o ensino da História e Cultura Afro-Brasileira nas escolas de ensino fundamental e médio do Brasil, sobretudo nos âmbitos da Educação Artística e de Literatura e História Brasileiras. Duração: 40 min. Classificação: Livre
 
 
Cartas de amor
Local: Ruas da cidade
11h
Você pode até pensar que, em plena era de lives, as cartas saíram de moda, mas quem é que não gosta de receber um trecho de um poema numa folha de papel? Essa é a missão da intervenção poética criada por Júnio de Carvalho e Priscila Natany. Os dois passeiam pela cidade distribuindo mensagens de amor e felicidade através da escrita. Produção: Cia Mineira de Teatro. Elenco: Priscila Natany e Júnio de
Carvalho. Duração: 50 min. Classificação: Livre
 
 
Dança sobre a Terra
Local: Alto do São Francisco
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena
 (Belo Horizonte)
16h
Uma dança sobre a Terra. Um mover de amor com os pés em terra . Nos nutre e nos engole. Nos sustenta e nos enterra. Terrena, performance de dança da artista Renata Mara, baseada no reconhecimento de nossa condição humana enquanto seres finitos. O trabalho busca revitalizar o amor pela vida e pela terra, mediante a consciência da morte. Terrena. Elenco: Renata Mara. Produção: Tiradentes em Cena. Duração: 20 min. Classificação: Livre
 
 
Labas e suas histórias
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena (ao vivo)
(Belo Horizonte)
18h
Três mulheres negras na roda ancestral, que contam, cantam e encantam histórias da cultura africana. Corpos negros cheios de histórias que revelam no gesto, na veste e na fala seus lugares, o lugar do povo negro contando nossas histórias. Produção: Coletivo Iabas. Elenco: Madu Costa, Magna Cristina e Chica Reis. Duração: 40 min. Classificação: Livre
 
Teatro Negro: múltiplo e plural
20h
Convidadas:
- Lucimélia Romão, acordeonista, artista de rua e performer. Cursou Artes Dramáticas na Escola Municipal Maestro Fêgo Camargo, em Taubaté.- Chica Reis (Coletivo Iabas) é atriz e contadora de histórias, graduada em Artes Cênicas pela UFMG. -Magna Oliveira (Coletivo Iabas) é funcionária pública federal da UFMG, contadora de histórias e coordenadora do projeto de extensão na UFMG (Proex/UFMG), intitulado "Iranti – Ser África". - Madu Costa (Coletivo Iabas), por sua vez, é pedagoga, escritora, arte-educadora, contadora de histórias, assessora pedagógica, assessora artística e palestrante motivacional.
 
 
O grupo Lendas
Local: Escadaria da Matriz e Rua Padre Toledo
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena
20h
O Espetáculo Lendas São Joanenses é um roteiro turístico, noturno, realizado na cidade histórica de São João del Rei-MG, que mescla informações históricas com encenação de lendas locais. Desta vez o grupo terá como cenário, o centro histórico de Tiradentes. A escuridão da noite complementa o cenário juntamente com casarões, igrejas e ruas históricas e faz com que a plateia vivencie algumas das antigas lendas da cidade. (São João del-Rei). São Joanenses conta Lendas de Tiradentes
Produção: Lendas São Joanenses. Duração: 20 min. Classificação: Livre
 
 
21/11 (sábado)
 
Projeto Arte por Toda Parte
Oficina de teatro
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena (ao vivo)
10h
O Tiradentes em Cena realiza via o projeto Arte por Toda Parte do Teatro da Pedra encontros semanalmente. Os alunos tem sido convidados a olhar o seu entorno de forma mais poética, ressignificar coisas e lugares comuns, e, a partir daí, dar significado para sua própria existência. Convidados: Aline Garcia/ Tiradentes em Cena; Talles Ramon e Fernanda Nascimento /Arte por toda Parte /Marina Leão/ e Maria Victória / alunas do projeto. Duração: 40 min. Classificação: Livre
 
No Teatro e na pandemia:
Local: Ruas da cidade
11h
A intervenção da Trupe Ventania é formada por um trio de Atores/Tocadores que se propõem a visitar pontos da cidade para lembrar o óbvio em tempos de pandemia: o uso da máscara! E se algum(a) desavisado(a) estiver sem máscara, com máscara estará! Afinal, no Teatro e na pandemia: Use máscara! Concepção: Maurílio Romão. Atores: Dalber Rodrigues, Lou Amaro e Matheus Piotto. Duração: 40 min. Classificação: Livre. (Passos)
 
Mensageiro
Local: Ruas da cidade
(São João del-Rei)
16h
O mensageiro chegou, é hora de voltarmos. Ao bom canto de Ísis Ferreira o mensageiro MaiZena com sua bola de cristal trará boas novas para as ruas de Tiradentes, uma caminhada lúdica de sensações e muita arte. Elenco: MaiZena e Isís Ferreira. Duração: 50 minClassificação: Livre
 
 
Uma perda súbita de flores...
Intervenção Performática
Local: Chafariz
17h
Trata-se de uma intervenção performática composta por três performances que foram construídas em tempos diferentes para criações distintas*. Corpo árvore, Corpo Flores e Corpo árvoreflor. Três bailarinas constroem corpos/estados que colocam em relevo elementos do tempo: o infinito, o instante ou súbito, os ciclos. Evocam a sabedoria da natureza e seus tempos por meio da árvore e da efemeridade das rosas.
Elenco: Ariane de Freitas, Cláudia Lobo e Maíra Campos *Criações originais para o espetáculo "Transtorna" (2006) de Cristina Machado (2006), por Andrea faria e Ariane de Freitas e para as ações "Antologia da Árvore" (2012) pelo LIO Coletivo por Maíra Campos. Duração: 60 min. Classificação: Livre.(Belo Horizonte)
 
 
Parece que foi ontem
Local: Sobrado Cultural Aimorés
Exibição: YouTube.com/TiradentesEmCena / (ao vivo)
20h
'Parece que foi ontem' são sensações de um indivíduo em estado de isolamento provocado por uma guerra de fora, por uma guerra de dentro. Uma distopia romântica costurada com impressões de superposição temporal. Dentro deste espaço/tempo o indivíduo reconsidera sua vida numa conversa sem resposta com seu público.
Texto e Encenação: Maurílio Romão. Intérprete: Matheus Piotto. Iluminação: Lucas Eduardo e Maurílio Romão. Sonoplastia: Lou Amaro. Duração: 55 min. Classificação: Livre. (Passos)
 
 
O tempo
21h
Local: instagram @tiradentesemcena
(Rio de Janeiro)
"O Tempo" conta a história de uma mulher em crise existencial que reflete sobre a vida e suas escolhas, tentando priorizar seus desejos e se conectar ao tempo presente. Paradoxalmente, ela é uma atriz, interpretando um texto decorado, e sua conexão com aqueles instantes é apenas um eco de seu próprio passado. Texto: Flávia Prosdocimi. Atuação, produção e idealização: Monique Vaillé. Direção: Carolina Godinho e Diego Molina. Cenário: Diego Molina. Duração: 11 min. Classificação: Livre
 
 
Festival de Cenas Curtas
Dia 11/11:
10 cenas sobem para canal no YouTube para votação
Dia 21/11:
resultado final publicado no canal Tiradentes em Cena, às 16h.
 
O amor faz-me fome
(São João del-Rei)
De 18 a 21 de novembro
NO NOSSO CANAL
YouTube.com/TiradentesEmCena "O amor faz-me fome" é um trabalho da Cia Mineira de Teatro, inspirado no livro "Jóquei", da poeta portuguesa Matilde Campilho e produzido durante o período de quarentena. Uma adaptação do espetáculo de dança-teatro "Outono", estreado no final de 2019. O vídeo é uma metáfora existencial dos nossos tempos. Fala de um período de transição entre os extremos, remonta paisagens de um mundo vivido e paisagens de um mundo possível. Produção e idealização: Cia Mineira de Teatro. Direção: Diego Matos. Atuação: Júnio de Carvalho e Priscila Natany.
Duração: 10 min. Classificação: Livre
 
Verboverdose
(Tiradentes)
A trama resgata a história de ANTENOR, um anônimo, "...Absolutamente sem importância social" e tão comum em nosso cotidiano. Quem seria Antenor no imediatismo do século XXI? Dividida em 5 quadros, VERBOVERDOSE nos instiga a refletir para onde estamos indo com o padrão de sociedade construído. No Tiradentes em cena, o ator e criador Rodrigo Rosado, fará uma leitura Dramática do quadro
"Buscando encaixotar padrões", baseado no conto "O Homem da cabeça de papelão" de João do Rio, escrito em 1910. Desde 2014, Rodrigo Rosado revisita textos clássicos e pesquisa as redes sociais para construir um trabalho baseado em sua inquietação: "O ser humano não suporta ser humano". Com o desenvolvimento das redes sociais esta inquietação se tornou uma necessidade de questionar artisticamente, o que é ser humano? Criação e concepção: Rodrigo Rosado. Atuação: Rodrigo Rosado. Fotografia: André FradeDuração: 20 min. Classificação: Livre
 
 
Toda Deseo
(Belo Horizonte)
Conselheira
É um trabalho contemporâneo, composto de uma dramaturgia original que traz temas atuais com enfoque nas questões de gênero, feministas, e de maternidade, partindo da ascensão do autoritarismo na sociedade e também do aumento dos casos de depressão e suicídio entre mulheres de várias idades. A partir da junção entre o teatro e o cinema, a cena apresenta duas facetas da personagem: uma que se submete às normas e segue o padrão de vida aceitável e a outra, um alter ego crítico que não se curva diante das censuras impostas pela sociedade. Atuação: Ju Abreu. Direção: Rafael Bacelar. Dramaturgia: Idylla Silmarovi e David Maurity. Técnico responsável: Akner Gustavson. Cinegrafista: Leo Godgod.
 
A Casatória c'a Defunta
(Rio Grande do Norte)
A comédia conta de forma lúdica e muito divertida, as aventuras de alguém que já morreu em contraponto com os que ficaram. Na peça, cinco atores retratam a vida de Afrânio, que prestes a se casar com a romântica Maria Flor, acaba casando-se acidentalmente com a fantasmagórica Moça de Branco, que o leva para o submundo. E sua jornada, o jovem fará valorosas amizades e aprenderá uma grande lição. Mesmo assim, não desistirá do seu verdadeiro amor, mesmo que isso lhe custe a própria vida. Elenco: Cia Pão Doce de Teatro -Paulo Lima, Mônica Danuta,Lígia Kiss, Raull Davyson eRomero Oliveira. Cenotécnico: Edson Saraiva. Texto e Música: Romero Oliveira. Direção: Marcos Leonardo. Duração: 50 min. Classificação: Livre
 
 
A traça
(São Paulo)
Quem de vocês gosta de ler? Essa é a história de uma menina que tinha uma grande paixão: devorar livros. Pra ela, todos os dias, em todo lugar, hora ou situação, ela sempre dava um jeitinho de ler um bom livro. O único problema é que, assim como ela, havia também um bichinho que vive circulando por bibliotecas e até dentro de casa, e que também ama devorar livros. Mas os deixa cheio de buraquinhos... Vixe!
Texto original e Roteiro: Camila Cassis e Natália Grisi. Direção geral: Mauricio de Barros. Direção de Fotografia, Edição e Finalização: Phillip Silveira. Elenco: Belinha e Proseadeira 1: Camila Cassis. Prodeadeira 2: Natália Grisi. Composição e arranjo: André Teles e Camila Cassis. Trilha de abertura: Georg Philipp Telemann (música) / Camila Cassis (arranjo). Produção musical e Mixagem: André Teles. Figurino Proseadeiras: Marina Reis. Produção executiva: Marcia Rocha. Som direto e Assistência de fotografia: Diogo Gomes e Davi Gomes. Produção geral: A Hora da História. Classificação: Livre
 
 
O FESTIVAL DE CENAS CURTAS de 2020 naturalmente foi afetado por todos os
desdobramentos que está sendo criar e produzir durante a pandemia. Isso, especificamente para nós, não assusta, e sim desafia. Entendemos nossa arte como uma maneira de lidar com o novo, tornando-nos flexíveis e atentos às novas linguagens que surgem nessa empreitada artística. Nessa edição, adentramos no universo do teatro/performance em plataformas digitais. Os dez vídeos com as propostas selecionadas estarão disponíveis no Canal do YouTube do Tiradentes em Cena, para voto popular, sendo premiados os 03 mais votados, com destaque na plataforma.
 
 
Em sua oitava edição, em um ano de pandemia, festival traz o amor como tema
É possível lutar pela cultura em um ano como 2020? Para nós, não só é possível, como é extremamente necessário. Quem dera pudéssemos anunciar, pelo oitavo ano seguido, um calendário “normal” da Mostra Tiradentes em Cena, que acontece na cidade de Tiradentes, em Minas Gerais. Mas a verdade é que a pandemia do Coronavírus mudou tudo e obrigou todos os setores, inclusive o cultural, a repensarem cada uma das suas atividades. A produção teatral ficou invariavelmente desfalcada e precisou migrar para o cenário online. E é justamente nesse cenário diferente, e com parte da audiência canalizada no on-line, que nossas cortinas irão se abrir.
Durante quatro dias, teremos apresentações dos mais variados gêneros. Espetáculos, música, dança, exposições, oficinas, intercâmbios e rodas de conversas que irão estimular a reflexão do pensamento e entreter o público, respeitando as normas da Organização Mundial da Saúde.
- O Tiradentes em Cena sempre acontece em maio, mas com todo esse cenário faremos em novembro. Neste momento de pandemia e isolamento, onde a classe artística foi uma das mais afetadas, faz-se necessário retomar a renda e a possibilidade de trabalho do meio artístico. Somos uma equipe formada por pessoas que acreditam na arte, na pluralidade, na diversidade e no poder de transformação e na inclusão da cultura. A produção cultural é importante para a cadeia produtiva, pois gera empregos, rendas, impostos, promove circulação de espetáculos, gera trocas. Por isso vamos resistir com AMOR - conta a idealizadora da mostra, Aline Garcia.
Atriz e fundadora do Grupo Galpão, TeudaBara, que completará 80 anos em janeiro, é a homenageada
Atriz e fundadora do Grupo Galpão, TeudaBara atuou na maior parte dos espetáculos do grupo. No início dos anos 2000 viveu entre o Quebec e Las Vegas para, a convite do renomado diretor Robert Lepage, participar do espetáculo “K.Á.”, do Cirque Du Soleil. De volta ao Brasil, em 2007, retomou sua carreira pelos palcos e ruas brasileiros, ao lado do Galpão. Estreou, em 2015, a peça “Doida”, produção independente que ela própria encabeçou e na qual divide a cena com seu filho Admar Fernandes.
 
Nos dias do evento, o público poderá assistir ao espetáculo solo “Luta”, que será transmitido no canal do Tiradentes em Cena no YouTube. “LUTA” é um espetáculo criado para e com TeudaBara. Visitando suas memórias, a atriz, em cena, ficcionaliza sua trajetória, cria imagens, conta casos e elege a “Luta” como alegoria para o teatro e a própria vida.
Também teremos um bate papo inédito com o escritor e jornalista João Santos sobre o livro “Comunista demais para ser Chacrete”, do qual ele é autor. O livro é uma publicação da Editora Javali e traça um perfil biográfico de Teuda.
Parcerias, ações de continuidade, estreia e debates marcam mostra
A diversidade de apresentações e o intercâmbio entre artistas locais e grandes nomes do cenário nacional sempre fizeram parte do Tiradentes em Cena. Neste ano não será diferente.
O Festival Cenas Curtas, realizado em parceria com o ator e produtor Vinícius Cristóvão, uma outra iniciativa dentro da Mostra para incentivar novos talentos, também está de cara nova. Pela natureza do momento, o fazer teatral teve que se adaptar e experimentar novas formas de continuar criando e afetando o público. A plataforma online foi o caminho encontrado por tantos artistas. Por isso, essa edição do Cenas Curtas será toda online e voltada para a experimentação desse campo artístico, no qual teatro e audiovisual se entrelaçam, criando poéticas tecnológicas. A edição do Cenas Curtas acontece em parceria com o Teatro em Movimento e o Curso de Teatro da Universidade Federal de São João del Rei (COTEA).
O Campus Cultural UFMG em Tiradentes também participa do festival com a Exposição virtual ‘Confluências’, que coloca em repasse a trajetória de João das Neves. A mostra foi montada a partir do arquivo pessoal do dramaturgo sob a guarda da Divisão de Coleções Especiais e Obras Raras da Biblioteca Central da UFMG - naturalmente, parte deste acervo, que, cumpre dizer, foi doado pelo próprio João das Neves à universidade. Também teremos interações pelas redes sociais com o tema.
Os espetáculos que fazem parte da oitava edição
A programação da oitava edição da mostra vem recheada de espetáculos dos mais variados gêneros e apresentações em diferentes espaços virtuais e físicos.
O Largo do Museu de Santana será palco para a peça sobre a vida e obra de Solano Trindade, poeta e fundador do Teatro Popular Brasileiro. A dramaturgia é de Elisa Lucinda e da diretora Geovana Pires, e a interpretação de Val Perré. O sobrado Aimorés recebe “Prazer é Todo Nosso” com Juliana Martinse “Yabás e suas histórias”. A Performance 999 acontece no Beco da Igreja São João Evangelista com Carolina Correa, atriz, diretora, performer e Coordenadora Internacional do Corredor Latinoamericano de Teatro. Na dança, o Alto do São Francisco será palco para a professora Renata Mara, certificada pela DanceAbilityInternational Foundation, sendo referência em práticas e estudos ligados à arte, educação, inclusão e acessibilidade.
O Tiradentes em Cena também abrigará a estreia oficial do monólogo “Parece que foi Ontem”, da Trupe Ventania, de Passos, que acontecerá em casarão na Rua Direita. E as ruas da cidade receberão intervenções que falam desse tempo e que conscientizam para o cuidado ao próximo. Além disso, haverá palhaçaria para alegrar a criançada.
A programação permeia o tema amor e traz a tona temas como racismo, inclusão, liberdade e resistência. 
Novos tempos pedem novas narrativas
O “teatro-web” veio mesmo para ficar e evoluir para camadas cada vez mais profundas, sendo assim escolhemos algumas cenas que terão destaque no Tiradentes em cena. São elas:
“Pandas ou Era uma Vez em Frankfurt”. Com texto ágil, forte e provocativo, os dois atores e o diretor dominam o jogo cênico através da web e nos conduzem a uma verdade cênica poucas vezes experimentada via Zoom,
“O Tempo”, solo deMonique Vaillé, será transmitido pelo nosso Instagram. Conta a história de uma mulher em crise existencial que reflete sobre a vida e suas escolhas, tentando priorizar seus desejos e se conectar ao tempo presente. Já“O amor faz-me fome” é um trabalho da Cia Mineira de Teatro, inspirado no livro “Jóquei”, da poeta portuguesa Matilde Campilho, e produzido durante o período de quarentena. O vídeo, com direção de Diego Matos e atuação de Júnio de Carvalho e Priscila Natany, é uma metáfora existencial dos nossos tempos.
 
 
De 18 a 21 de novembro
Instagram: @tiradentesemcena
Twitter: @Tiradentes_Cena
 


Esteja sempre atualizado do que acontece em São João del-Rei, Tiradentes e região - cadastre gratuitamente o seu evento cultural em contato. Curta e siga a página do Atitude Cultural no Facebook e Instagram. 
Vídeo Atitudes Culturais: 30 anos . Retrospectiva Atitude Cultural     
 

www.saojoaodelreitransparente.com.br . Projeto e coordenação: Alzira Agostini Haddad . Todos os direitos reservados