Melhores Práticas - Ação

3. Meio ambiente Brasil

Destino do esgoto

Texto

O que fazer com o lixo e com as sobras que todos os dias nós deixamos pra trás? No mundo inteiro, tem gente trabalhando para responder a essa pergunta. Agora você vai conhecer uma pesquisa, feita no estado de São Paulo, que tenta dar um destino nobre para o resíduo que sobra do tratamento do esgoto urbano.

Oitenta por cento dos municípios paulistas têm sistemas de tratamento de esgoto. É o que conta o engenheiro civil sanitarista Luiz Paulo de Almeida Neto, superintendente regional da Sabesp, órgão responsável pelo abastecimento de água e pelo esgoto de São Paulo. “Toda a água utilizada por uma população dentro da cidade, a água da privada, da pia, do chuveiro, e restos da cozinha, vêm para cá”, explica.
 
O esgoto é repleto de vermes e coliformes, bactérias presentes no intestino de animais mamíferos, como o homem. Ele também vem carregado de nutrientes como nitrogênio, fósforo e potássio. Se for despejado nos rios em estado bruto, vai causar problemas. “Você vai poluir o solo e vai poluir o rio. O rio, você vai retirar muito oxigênio do rio e não vai permitir vida, os peixes vão morrer. E no solo, existem muitos microorganismos, muitos germes que vão sobreviver por longo tempo e também é um enorme potencial contra a saúde das pessoas”, diz Almeida.
 
O tratamento do esgoto é feito em estações como a que fica no município de Monte Alto. Na cidade, um sistema de gradeamento separa os resíduos que não são orgânicos, como plásticos, pedras e areia. O que sobra vai para uma lagoa. “Nessa primeira etapa, você tem uma decantação dos sólidos mais grosseiros para o fundo da lagoa. Aqui também vivem bactérias sem a presença do oxigênio, são as bactérias anaeróbias, e elas decompõem a matéria orgânica, reduzindo o grau de poluição em até 60%”, afirma o engenheiro.
 
Essa água passa para o segundo estágio do tratamento: uma outra lagoa, chamada  facultativa. No fundo dela, ainda vivem as bactérias anaeróbias, que continuam decompondo matéria orgânica e liberando gás carbônico. Mas, na parte de cima, já aparecem algas, que dão cor verde a água. “As algas, no processo de fotossíntese, de energia solar, produzem oxigênio, e dão vida a esse meio líquido. Depois de passar por duas fases, a anaeróbia e a facultativa, você consegue remover 100% dos germes, mas, na parte dos coliformes, você remove 99,9%”, conta Almeida.
 
Em Monte Alto, o efluente, ou a água que sobra do tratamento, ainda passa por uma terceira lagoa e por um imenso filtro de pedra, antes de ser despejado no rio. “Em relação ao que entra de poluição, você remove, nessa estação, 95%”, diz o engenheiro.
 
Essa estação é uma exceção. Na maior parte delas, o tratamento para no segundo estágio, na lagoa facultativa. O que determina o método é o tipo de rio que recebe o efluente, o volume de água que corre nele e para que essa água vai ser usada. O tratamento retira do esgoto praticamente todos os contaminantes que podem trazer problemas para a saúde das pessoas, mas, nessa água, ainda resta um alto teor de nutrientes, especialmente nitrogênio, que é um dos principais insumos da agricultura. É dái que sirgiu a ideia de usar esse efluente como fertlizante.
 
Ao invés de despejar o efluente nos rios, a ideia é aproveitá-lo pra irrigar lavouras, uma tecnologia que já é usada em diversos países, como Israel, Austrália e Estados Unidos.
 
A pesquisa já acontece há dez anos num campo experimental montado na estação de tratamento de esgoto da cidade de Lins. Quem coordena o trabalho é a geofísica Célia Regina Montes, do CENA, Centro de Energia Nuclear na Agricultura da Universidade de São Paulo. “A nossa área experimental aqui faz sete hectares. Atualmente, nós estamos trabalhando com cana-de-açúcar e com o capim Tifton 85. Nós fizemos experimentos aqui com milho e com girassol”, explica.
 
O sistema é simples. “Nós captamos o efluente diretamente da lagoa de estabilização, um tratamento secundário. Ele vai para um reservatório e depois é bombeado como um sistema de irrigação normal”, afirma Célia.
 
Tomando como base a quantidade ideal de nitrogênio que o capim Tifton deve receber, Célia plantou diversas parcelas. Cada uma delas recebeu percentuais diferentes de adubo químico e de efluente. Os testes mostraram que meio a meio, 50% de cada um, mantêm os níveis de produtividade.A eficiência do sistema, claro, também depende do clima. Porque, se chove muito, não dá para irrigar todo dia. “Quando chove mais, eu irrigo menos. Então, vai entrar menos nitrogênio que vem do efluente. Eu tive, em um ano, uma economia de fertilizante nitrogenado mineral da ordem de 30%. No ano seguinte, 80%”, relata a pesquisadora.
 
A tecnologia é promissora, mas não deve ser usada em qualquer cultura. “Se ele não for desinfectado, ele vai ser utilizado para culturas que vão ser processadas industrialmente. Então, por exemplo, no caso da cana-de-açúcar, é uma cultura que vai para processamento. No caso do capim, também não é para pastejo direto. Do capim Tifton, vai ser feito feno, esse feno vai passar por um processo”, afirma Célia.
 
Para conferir se esse efluente não está causando prejuízos ambientais nem sanitários, as plantas, o solo e a água do lençol freático que está abaixo dele são analisados periodicamente. “A gente faz tanto análise microbiológica como também análise química”, diz a geofísica.
 
No Brasil, ainda não há legislação que permita o uso dessa tecnologia na agricultura comercial, mas Célia afirma que, se bem usado, o sistema só traz benefícios. “A única coisa que a gente tem que ter em mente é que isso é um efluente de esgoto tratado. A gente tem que tomar determinados cuidados. Mas, fora isso, é perfeitamente possível de utilizar. É uma pena estar jogando esse efluente no rio”, conclui a pesquisadora do CENA-USP.

Com base nessa pesquisa, foi feita uma proposta de utilização desse efluente na agricultura comercial. Para que ela se torne realidade, depende da aprovação de uma resolução que deve ser votada na próxima reunião do Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no dia 16 de dezembro.

Fonte: Globo Rural

 

O conteúdo desse portal pode ser reproduzido, desde que citadas as fontes e os créditos.

www.saojoaodelreitransparente.com.br . Projeto, pesquisa, organização e concepção: Alzira Agostini Haddad . Todos os direitos reservados