Melhores Práticas - Ação

1. Cultura e Artistas de São João del-Rei e região

Centro de Convenções de São João del-Rei

Texto

 

O processo licitatório para as obras do Centro de Convenções em São João del-Rei foi reaberto pelo Governo de Minas. Agora, as empresas interessadas em assumir a empreitada e que se enquadram nos requisitos apontados pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) têm até a segunda semana de outubro para se inscrever. Os envelopes com as propostas serão abertos no dia 18 e, escolhida a organização responsável pelas obras orçadas em R$72 milhões, a construção do empreendimento deverá ser iniciada gerando 400 empregos diretos nessa fase.
Enquanto isso, uma maquete de 2,5 x 3,5 metros, criada pela própria Codemig, vai circular e ficar exposta em diferentes pontos da cidade. “Foi um trabalho minucioso para que possamos apresentar à população como o complexo ficará depois de pronto. Será uma forma de fortalecer a identidade local e dentro de agendas expressivas que até então ficavam restritas à capital”, explicou o deputado estadual Rômulo Viegas (PSDB) durante reunião da Comissão Pró-Centro de Convenções na última segunda-feira, 24.
A maquete, aliás, será a primeira montada na pré-construção de um espaço como esse em Minas, o quarto do Estado depois de Belo Horizonte, Teófilo Otoni e Juiz de Fora.

Comissão
Ainda durante o encontro da Comissão, um ofício foi encaminhado para o governador do Estado, Antonio Anastasia (PSDB), sugerindo espaços para apresentação da maquete e contato direto com o público. “É um material que exige muito cuidado, mas que ao mesmo tempo precisa ir ao encontro do maior número possível de pessoas. Por esse motivo, pensamos em visibilidade e facilidade de acesso. Quanto mais gente puder entender o projeto, maior participação teremos ao decidir o que vai acontecer dentro desse espaço nos próximos anos. A participação sempre foi nosso mote. O Centro só é realidade porque contamos com trabalho de muitas mãos e muita luta”, explicou Nilza Alvarenga, da Associação de Hotéis e Pousadas (AHP) de São João del-Rei e uma das idealizadoras do projeto. Foi ela que, em parceria com apoiadores, percorreu todo o município e conversou com representantes de diferentes setores da sociedade para angariar mais de 10 mil assinaturas pelo Centro de Convenções há seis anos.
A iniciativa recebeu aval do então governador Aécio Neves (PSDB) e colocará São João del-Rei na rota de eventos inclusive internacionais. “É um instrumento urbano poderosíssimo que vai gerar empregos nas obras e outras centenas de postos de trabalho depois da inauguração, além de milhares de oportunidades para quem atua na região”, explicou o prefeito Helvécio Reis (PT).

***

Centro de Convenções da Estação Ferroviária de São João del-Rei

Construção do Centro de Convenções e implemen­tação de um escritório local para comunicação entre deputados e população das Vertentes. Durante reunião com cabos eleitorais e outros convidados no sábado, 18, o deputado estadual Rômulo Viegas (PSDB) des­tacou ambos os assuntos na pauta, além de falar sobre questões práticas envolvendo o trabalho parlamentar.
O Centro de Convenções é projeto viabilizado e administrado pela Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) com inves­timentos de R$30 milhões do Govemo do Estado. Segundo Viegas, a expectativa é de que passado o processo licitatório, as obras do espaço comecem no último bimestrede2010.  “Todo o projeto já foi concluído e aprovado. Esbarramos agora em questões burocráticas que, sabemos, realmente demandam tempo. Apesar disso, nosso objetivo é dar andamento às construções a partir de novembro", explicou o deputado. Segundo ele, o planejamento foi feito para que o complexo fosse entregue à população até novembro de 2013, visando estar em funcionamento a todo vapor durante a Copa do Mundo de 2014.
Com 10 mil m²  de construção, um audi­tório com 850 lugares, seis salas multiuso, estaciona­mento e praça de alimentação, o espaço foi idealizado nos moldes do Expominas e, implantado, colocará São João dei-Rei no patamar de quinto município mineiro a contar com um empreendimento desse porte. "O Centro de Convenções será um gerador de empregos e, além disso, um atrativo a mais para a cidade. Temos uma base turística esplêndida e uma rede hoteleira maravilhosa, além, claro, de tradições culturais e monumentais que captam turistas o ano inteiro. Com o Centro seremos capazes de ampliar essas possibilidades e transformar São João del-Rei em pólo de receptação para eventos internacionais. Durante a Copa do Mundo no Brasil, quando milhares de estrangeiros passarão pelo país, podemos estar na rota deles com agenda especial e estrutura adequada para recebê-los", comentou, acres­centando que a implantação do Centro de Convenções também serve como mola propulsora para que mora­dores da região se aperfeiçoem em diferentes áreas do serviço turístico e atuem no local.  “A região será fortalecida em diferentes aspectos com esse projeto. Estamos muito felizes com essas perspectivas", disse o deputado são-joanense.

Fonte: Gazeta de SJDR, 25 de junho de 2011


***

Propostas para turismo em São João del-Rei: Centro de Convenções

Nos dias atuais a questão da preservação do Patrimônio Histórico vem sendo tratada sob uma nova ótica. Os bens patrimoniais, que antes eram focados como elementos destoantes da paisagem, como museus ou atrações turísticas, passaram a ser tratados como elementos integrantes tanto da paisagem, quanto do cotidiano social.
Edifícios e sítios históricos começaram a ser novamente produtivos, realçando a vida econômica e cultural das cidades, em benefício da preservação e dos seus habitantes.
“A cidade de São João dei Rei, além de possuir um grande repertório arquitetônico e urbanístico de valor histórico como atrativos turísticos tradicionais, conta também com uma universidade federal - a FUNREI - o que aumenta a demanda de um espaço para a divulgação e promoção de eventos, congressos, palestras, convenções, etc.
A Estação Ferroviária pode ser vista como um potencial turístico não totalmente explorado, tendo um terreno vasto com diversas edificações que eram utilizadas para a manutenção das locomotivas e maquinário, como galpões e uma rotunda, hoje não mais utilizadas para este fim, visto que existe apenas uma Maria Fumaça que percorre o trecho de São João dei Rei ¬Tiradentes nos fins de semana.
Portanto, é interessante a revitalização dessa área, com fins de preservar o patrimônio histórico e desenvolver outras atividades fundamentais da cidade, como o turismo e o ensino superior.
"Exilar a memória no passado é deixar de entendê-Ia como força viva do presente. Sem memória, não há presente humano, nem tão pouco futuro. Em outras palavras: a memória gira em torno de um dado básico do fenômeno humano, a mudança. Se não houver memória, a mudança será sempre fator de alienação e desagregação, pois inexistiria uma plataforma de referência e cada ato seria uma reação mecânica, uma resposta nova e solitária a cada momento, um mergulho do passado esvaziado para o vazio do futuro. É a memória que funciona como instrumento biológico-cultural de identidade, conservação, desenvolvimento, que torna legível o fluxo dos acontecimentos."
U/piano Bezerra de Menezes
Este trabalho tem como proposta a instalação de um Centro de Convenções no Complexo Ferroviário de São João dei Rei com o objetivo de atender às demandas da Prefeitura Municipal, da FUNREI e ainda demandas particulares, com a intenção de integrar as características culturais e acadêmicas da cidade com as instalações necessárias para abrigar eventos de expressão.
A proposta de um Centro de Convenções foi sendo consolidada ao longo deste trabalho através da confirmação da vocação da cidade de São João dei Rei para o turismo de eventos, uma vez que já conta com outros tipos de turismo de atrativos, além da necessidade de locais adequados destinados a atender aos eventos da Prefeitura Municipal e da FUNREI.
A escolha do Pátio da Estação Ferroviária se deu através de características existentes no complexo, compatíveis com a proposta do Centro de Convenções. São elas:
- a Estação Ferroviária dispõe de localização privilegiada, no centro da cidade, oferecendo boas opções de acesso;
- a necessidade de revitalização da área;
- a existência de edifícios dentro do complexo em mau estado de conservação e utilização inadequada ou esporádica, que apresentam grande potencial de reutilização;
- a constatação, através da pesquisa a respeito de preservação do patrimônio, de que a reutilização do bem patrimonial é a melhor forma de garantir a sua conservação;
- a preexistência de um museu ferroviário e alguns eventos que já acontecem no local reafirmando a vocação do complexo para atividades ligadas a cultura.

CONCEITUAÇÃO
A proposta para este trabalho parte de dois princípios: a preservação do patrimônio histórico e o desenvolvimento da área intelectual da cidade de São João del Rei.
Na questão do patrimônio histórico a postura adotada foi de que a reutilização adequada é a melhor maneira de assegurar a sua preservação, tanto no que diz respeito à memória, quanto à sua condição física.
Uma vez que se trata de uma intervenção em um elemento de valor histórico, está estabelecido o diálogo: novo X antigo.
A pesquisa sobre preservação do patrimônio histórico e ferroviário, o conhecimento da história e situação atual do objeto de estudo, e a discussão a respeito de intervenções em sítios e edifícios históricos, bem como alguns estudos de caso, foram de fundamental importância para a concepção da conceituação do projeto.
A inserção do novo num ambiente onde o antigo já está consolidado se deu através de uma linguagem de contraste, tanto nas novas edificações quanto na adaptação das já existentes.
O contraste, de caráter não agressivo, foi estabelecido, no caso do complexo que possui edificações predominantemente ecléticas, através de uma linguagem simples e contemporânea.
A intenção foi que o novo, a exemplo do antigo, falasse por si só. As duas "arquiteturas" devem correr paralelamente de maneira que, se olhadas separadamente sejam independentes, e se olhadas em sua coexistência, haja uma relação de troca: uma valorizará a outra tendo como resultado não a dependência, mas sim o desejo de vê-Ias junto pela boa relação produzida.
No que diz respeito ao desenvolvimento intelectual da população local, a intenção foi de resgatar e estimular o desenvolvimento de áreas culturais, visto que o patrimônio existente hoje foi fruto da intensa produção intelectual ocorrida na cidade até as primeiras décadas do século XX.
No caso do patrimônio, a arquitetura é apenas uma materialização de fatos que ocorreram no passado, e sua função é de relembrar e passar para as futuras gerações a memória desses acontecimentos.
Da mesma maneira que o presente não faz sentido sem o passado, o passado também depende do presente para ter uma significação real.
O verdadeiro patrimônio de São João del Rei hoje se encontra desvalorizado.
O intercâmbio a valorização das atividades e conhecimentos culturais será uma maneira de desenvolver o setor da educação, trazendo, além de novas atividades para a cidade, também a percepção e entendimento mais real a respeito do patrimônio, o que, consequentemente promoverá a sua preservação.

A INTERVENÇÃO
Como síntese de toda pesquisa em torno do tema deste trabalho foram identifica das as principais necessidades orientadoras da concretização da proposta. São elas:
- a necessidade de maior integração do Complexo Ferroviário e seu entorno;
- a reorganização das funções de acordo com as potencialidades dos espaços;
- a criação de fluxos que permitam uma reintegração entre as três áreas segregadas atualmente dentro do Complexo Ferroviário: a área da administração e Museu Ferroviário, área da rotunda e Centro de Artes e, área de manutenção e oficinas;
- a revisão do conceito de museu em relação ao que prevalece hoje na Estação, que se resume a um galpão e à rotunda. Foi considerado museu todo o Complexo Ferroviário, tendo em vista a valorização de todo o acervo material, incluindo as oficinas de manutenção e instalações de apoio de cunho histórico: o acervo histórico; o acervo intelectual e técnico, como as práticas de reparo conservadas até hoje desenvolvidas, e o acervo arquitetônico.
As peças e informações contidas no museu atualmente foram fragmentadas por todo complexo, em locais adequados, para propiciar ao visitante conhecer, pouco a pouco, a história da Estação.
- a intenção de valorizar e preservar os edifícios já existentes, localizando os equipamentos de serviços (instalações para funcionários, depósitos, etc.) em novas edificações, sempre que possível. e privilegiar as atividades principais (exposições, oficinas, auditórios, etc.) localizando-as nos edifícios antigos;
- a criação de uma linguagem única para a intervenção para que as novas edificações pudessem ser facilmente identificadas, respeitando os gabaritos existentes e proporções. '
Algumas edificações foram somente restauradas tendo em vista que sua utilização atual é freqüente. São elas: oficina de manutenção em locomotivas, guarita e sanitários.
Ainda foi reincorporado ao terreno da Estação, uma antiga área para a localização do estacionamento do conjunto.

Programa:
O Centro de Convenções da Estação Ferroviária de São João del Rei conta com o seguinte programa:
-Secretaria de Cultura e Turismo;
-Terminal Turístico;
- Administração da Estação Ferroviária;
- Administração do Centro de Convenções (incluindo sala de marketing, sala de imprensa, sala VIP, sala de reuniões e multimeios);
-Café-Galeria;
-Lanchonete de apoio;
-2 auditórios de 120 lugares;
-Espaço para oficinas e mini-cursos (com divisórias removíveis);
-Auditório de 400 lugares (com camarins, salas VIP e palco para oficina de teatro);
-Local para feira e exposições;
- Apoio para feiras;
-Local para oficina de culinária;
-Casa para funcionários da Estação;
-Novo depósito para a Estação;
-Restaurante;
-Praças de convivência;
-Estacionamento para carros e ônibus.

Autora: Danielle Couto Moreira . Arquiteta e urbanista pela Universidade Federal de Viçosa.

 

www.saojoaodelreitransparente.com.br . Projeto e coordenação: Alzira Agostini Haddad . Todos os direitos reservados